Viewing entries tagged
incheon

SK 2 x 1 Lotte

Como disse na postagem anterior, o hyeong da nossa turma, o Marcelo (Won-Seok, o da foto ao lado), arrumou ingressos de graça para vermos um jogo de beisebol em Incheon. E aqui na Coreia minha vida tá assim: falou que é de graça, tô dentro! Só não sou tão esfomeado quanto o Gustavo, que até lula viva o cara comeu, só porque não precisou pagar.

Então parei para pensar no quão pouco eu sei sobre esse esporte. Não me lembro de pesquisar sobre as regras ou algum jogo para assistir na minha vida toda. Nem quando morei nos EUA. Porque, pelo menos em Austin, a galera só ia ver jogo de futebol americano, então nunca apareceu a oportunidade de assistir a um jogo de beisebol.

Já aqui na Coreia o beisebol é um dos esportes mais populares, e em toda escola que vi até agora havia um campo de beisebol com a meninada treinando.

A primeira coisa que estranhei foram os nomes dos times. "Quem vai jogar?", perguntei. "SK contra Lotte!". Para quem não sabe, SK é a SK Telecom, uma empresa telefônica coreana o SK Group, que inclui vários ramos sob o nome da SK, e Lotte é uma empresa "multiuso" (como quase toda grande empresa coreana, que fabrica de tudo: de palito de dente a carro). Bom, carro a Lotte ainda não fabrica, até onde eu sei... Mas deve estar quase.

"Então... como assim? O time é da empresa?", foi o que eu perguntei. Me disseram que não, o time tem seu nome próprio, mas como jogada de marketing fortíssima, ao patrocinar o time, o nome da empresa aparece muito mais. O time da Lotte, por exemplo, se chama Giants (isso, em inglês mesmo) e o da SK se chama Wyverns (também em inglês). Aliás, é tudo muito americanizado: os nomes dos times, além de ser ingleses, também têm aquele estilinho de escrita típico de times estadunidenses.

Outra coisa parecida com os EUA, pelo menos comparando esse jogo aos de futebol americano que já assisti, é que MUITA COISA acontece durante o jogo. Parece que o jogo em si é o de menos. As empresas investem muito dinheiro em marketing e entretenimento durante as partidas, de maneira que os torcedores se divertem o tempo todo. Fazem sorteios, apresentações, dancinhas com a torcida, tudo.

O estádio estava muito limpo, casa cheia, e foi tudo muito tranquilo. Me deu até um aperto no coração em lembrar que morei ao lado do Mineirão durante 6 anos, mas sempre que tinha jogo, principalmente Cruzeiro e Atlético, era perigoso até sair na rua. Se o Atlético perdesse então... (o que aconteceu quase sempre, de 1999 a 2008), aí quebravam tudo. Já até jogaram uma bomba no carro da Eloah, irmã do meu cunhado, enquanto ela passava pela Av. Antônio Carlos em dia de jogo.

E como aqui a coisa é diferente, o que mais se viam eram mulheres e crianças pelo estádio todo. As famílias se divertindo juntas. A foto ao lado foi tirada logo na entrada, com uma minitorcedora do Lotte Giants em cima do carro (esse sim é o tipo de perigo que as crianças correm aqui... hehe).

Como o SK é o time de Incheon, nós ficamos na parte dos visitantes, já que a Gayeong é de Busan, cidade do time da Lotte. O ruim foi que o Lotte perdeu... Mas da próxima vou pro time da casa, até porque praticamente TODOS os brindes que jogaram foram pros torcedores do SK! :P

Ah! E no meio do jogo acho que já entendi as regras do beisebol, que podem ser resumidas em: acerta a bola e sai correndo, meu filho!!!


Aí vão mais umas fotos e um vídeo, no qual o que eu menos gravei foi o jogo. Abraço pra todo mundo!



http://www.youtube.com/watch?v=0rygOxVXllQ

Primeiro contato

Oi, pessoal! Este eh meu primeiro contato direto do outro lado da bola. Desculpem a falta de acento, mas eh que acabo de encontrar uma lan house aqui, e jah gastei muito tempo tentando comunicar com o cara pra saber quanto eh que a gente paga! Se eu perguntar como configuro o teclado entao... eita.

Bom, entao vamos por partes. Tirei varias fotos ate aqui, mas esqueci o cabo da camera no quarto, entao mais tarde coloco-as aqui para todos terem uma nocao.

A viagem
Nao eh titulo de novela da Globo. Usaria duas palavras pra descrever a jornada pra chegar aqui: CANSATIVA e EXCELENTE. A primeira eh obvia. Sai de Campo Belo na segunda as 6h da manha, peguei o voo em Guarulhos as 14h e chegamos em Roma a 1h da manha (horario do Brasil). La em Roma ja eram 6h. Ate entao a Briza e eu nao haviamos encontrado os dois outros benditos brasileiros que viajaram com a gente (tinha mais um que iria com a familia, mas nao no mesmo voo). Entao, chegando em Roma o Gustavo ficou na porta do aviao com uma placa escrito BRIZA. Nao teve erro ne! Agora so faltava achar a Agatha, que eh a carioca que ficaria comigo em Cheongju. No saguao de embarque em SP mesmo eu ja tinha tentado sair falando "Agatha, Agatha, Agatha" em todos os cantos pra ver se alguem respondia, mas sem resultados positivos. Saindo do aviao em Roma, entramos num onibusinho que nos levaria para o outro lado do aeroporto, e la tentei de novo: "Ooo Agatha!!! Tem alguma Agatha aqui?". Ate que uma baiana disse que veio ao lado dela e que ela estava procurando a gente tambem. Depois de algumas descricoes foi moleza encontra-la. Com os quatro reunidos, comecou nossa breve e emocionante aventura italiana! Tinhamos 8h pra conhecer a cidade antes de pegar o voo pra Toquio. Conversa daqui, conversa de la (e eu falando meu italiano de novela) e achamos melhor pegar um metro pra ir pro centro de Roma. A principio nao vi diferenca nenhuma entre Italia e Brasil. Sujeira pra todo lado, o povo meio sem educacao (a gente tinha que pedir PELO AMOR DE DEUS para as aeromocas atenderem a gente no aviao). O metro indo pro centro e nada da gente ver a Italia que a gente queria. Tinha um casal se agarrando perto da gente, entao resolvemos interromper a agarracao deles pra pedir ajuda. O cara, Alessandro, foi super gente boa e nos ajudou com um roteiro pratico para conhecermos varios lugares que estariam pertos uns dos outros no centro de Roma. Depois voltou com a agarracao com a mulher. Eles eram italianos e haviam se conhecido ha 24 horas, e vinham do Camboja. O cara desceu primeiro e deixou a gente seguir com a moca, que nos ajudaria muito. La pelas tantas descobrimos que estavamos no trem errado! Ela ficou irritadissima e so fazia resmungar "ALESSANDRO!!!" toda hora. O quarteto fantastico do Brasil so fazia rir. E de fato era tudo muito engracado. Italiano eh engracado, porque a gente cresce vendo essas novelas italianas na TV e imitando italiano com a aquela entonacao e gesticulacao que todos conhecem. Pelo jeito era tudo verdade! hehe Anda pra ca, anda pra la, ela parecia estar mais perdida que a gente. Entao, finalmente, quando fomos pra outra estacao, topamos com um casal de brasileiros (uma paranaense e um carioca). Dai em diante nos despedimos da italiana e seguimos com os brasileiros, que apesar de morarem na Italia ha alguns meses ainda nao conheciam nada por la. So sei que quando saimos da estacao subterranea e subimos as escadas demos de cara com o Coliseu! Ninguem tava esperando que fosse assim, entao comecamos a gritar de felicidade e todo mundo olhando os brasileiros malucos maravilhados com a grandiosidade e beleza daquilo tudo. Tiramos um milhao de fotos no Coliseu e saimos andando pela cidade a fora conhecendo outros famosos pontos turisticos. Nao vou detalhar tudo aqui, senao demoro mais 3 horas. O negocio eh que cansamos de andar por la, e por fim decidimos pegar um taxi pra voltar pro aeroporto, pra nao correr o risco de perdermos o voo. O taxista era uma figura. Fiquei conversando com ele em portuliano, e ele ia dando um de guia turistico no caminho. E ainda por cima o cara tinha um tique de ficar balancando as pernas enquanto dirigia, entao era uma cena bizarra, porque o cara fica quicando no banco.
Seguimos para mais 12 horas de voo para Toquio. Sobrevoamos a Russia inteirinha, e fiquei emocionado quando passamos por Vladivostok, que sempre foi um territorio estrategico pra conquistar a Asia e a America do Norte quando jogavamos WAR com a turma em Campo Belo.
Em Toquio ja tava todo mundo exausto! Sorte que tinhamos pouco tempo ate pegar o proximo voo pra Seul. Nesse voo da Korean Air, a comida servida no aviao ja era coreana. Foi entao que senti o drama! A cara dela era boa. Parece ser um arroz com carne cozida e alguns legumes. O problema foi quando colouei a carne na boca, de leve, so pra sentir o gosto, e ja sai cuspindo fogo!!! A pimenta rola solta na Coreia! E ninguem faz nada pra evitar! O Gustavo foi mais esperto e devorou o prato em 2 minutos pra tomar coca-cola de uma vez. Ja eu sofri lentamente. Era uma garfada e um gole de coca!
Chegando em Seul, fiquei impressionado com a grandeza e modernidade do aeroporto. Eh tudo gigantesco! Eu tinha uma ideia de tudo pequeno na Coreia, talvez por ser tao pequena no mapa. Mas que nada! Um espetaculo. Ja na saida tinha duas coreanas com a plaquinha da Universidade de Cheongju rindo e acenando pra mim e pra Agatha. Foi uma recepcao calorosa. Despedimos da Briza e do Gustavo e pegamos o onibus pra Cheongju. Ficamos boquiabertos com a beleza e organizacao do pais pela estrada. Gracas a Deus, eh muito mais bonito do que eu esperava! Em Cheongju ja havia um estudante esperando a gente pra nos ajudar com o que precisassemos. Nao tivemos que pagar nada de nada! O cara chamou um taxi grandao e nos levou pro alojamento.

O alojamento
O apartamento eh otimo. Lugar super tranquilo e arborizado. Soh temos que tirar o calcado na porta. O chao eh tipo uma madeira fininha, com alguma coisa mais macia por baixo. Sao 3 quartos, uma sala e dois banheiros. Cada quarto eh duplo, ou seja, vou dividir o apartamento com mais 5. Estou temporariamente dividindo quarto com um indiano, e ate agora nao chegou mais ninguem. Ta pra chegar mais estrangeiros hoje e na semana que vem os alunos coreanos chegam. Falaram que cada estrangeiro vai ficar com um coreano no quarto. Eh tipo uma troca: os coreanos vao ajudar a gente a aprender e praticar a lingua deles, e nos vamos ajuda-los a falar ingles.

A primeira estripulia na Coreia
O lugar aqui eh tranquilo gracas aos coreanos, que sao timidos e falam baixinho. Pelo jeito os escandalosos aqui somos eu e a Agatha. O alojamento feminino fica ao lado, mas eu nao fazia ideia de onde a Agatha ficaria. Dai uma hora eu olhei pela janela e a vi andando pelo patio, e comecei logo a gritar com ela. Batemos um papinho gritando, e acho que vamos horrorizar esse pessoal daqui... hehe. O Josh (nome adaptado do estudante coreano que nos recebeu em Cheongju) nos levou para comer alguma coisa. Demos uma volta pelo campus, que eh muito bonito! Tudo o que queriamos era comer alguma coisa que nao fosse tao apimentada (depois que soubemos que ate doce de crianca aqui pode ter pimenta, ficamos com um pe atras!). Entao uma coreana simpatica preparou um sanduiche delicioso pra gente, e o cara, mais uma vez, pagou tudo. Parece que eh a universidade que ta bancando tudo por enquanto. A estripulia vem agora. Isso ja era tarde da noite, e o nosso manual de boas-vindas dizia que durante a semana deviamos estar no alojamento antes das 23h. Essa era a regra. Eu comentei isso com o Josh, mas ele me falou que comecaria a valer a partir da semana que vem. Entao nem preocupei. Mas assim que chegamos, despedimos dele, fui pra um lado e a Agatha pro outro. A porta da recepcao nao abriu. Olhei no relogio: 23h45. Putz!!! Fiquei preso do lado de fora logo na primeira noite! E olha que eu nem tinha dormido ainda! Entrei em panico por uns 5 minutos, ate que vi um coreano do lado de fora falando no telefone e fui pedir ajuda. No fim deu tudo certo, mas durante 5 minutos achei que passaria minha primeira noite na Coreia dormindo no banco da praca... hehe.

Agora sao 10h20 da manha aqui. Por algum motivo acordei bem cedo, tipo umas 7h. Deveria ter dormido mais, afinal a viagem esgotou minhas energias. Entao resolvi me aventurar andando pelas redondezas um pouco e acabei achando essa lan house. O reconhecimento de local eh sempre importante. Ja andei arranhando alguma coisa com o cara da loja de conveniencia que fica do lado do alojamento. Fiquei observando as pessoas, as casas, tudo. Achei engracado que, pelo menos aqui perto, todo terreno baldio tem uma hortinha! Voce vai andando pela rua e de repente se depara com uns pes de alface, beterraba, e sei la mais o que. Achei a ideia genial. Imagina se em todo lote vago do Brasil tivesse uma hortinha?
Fiquei observando as coreanas tambem. Achei bom fazer uma analise da beleza coreana logo de cara, para que meu julgamento nao esteja deturpado depois de alguns meses de carencia... hehe. Gracas a Deus vi umas garotas lindas! Vi as feinhas tambem, mas o que seria das bonitas sem as feias?

Bom, vou ficando por aqui. Desta vez escrevi bastante, porque afinal tava todo mundo querendo saber noticias. Mas das proximas vou colocar mais foto e escrever menos hein.

Abraco a todos! Mae, ja to com saudade da sua comida!