Viewing entries tagged
churrasco

Muita comida e cantoria!

O negócio é o seguinte. Com tanto texto pra ler e tanto trabalho pra fazer, eu me sinto culpado quando clico no botão "nova postagem" do Blogger. Por isso não tenho preparado nada bonitinho para postar. Mas para não dizerem que não dei sinal de vida, aí vão algumas fotos da comilança brasileira dos últimos fins de semana.

Vou começar com o fim de semana passado, quando foi White Day, o "Dia dos Namorados" em que só o homem presenteia a mulher. Levei meu parzinho de zóio puxado para comer carne de verdade numa churrascaria brasileira que abriu em Gangnam (um bairro movimentado de Seul nos fins de semana).

Propaganda. Para chegar lá, é só sair pela saída 1 da estação de Gangnam e andar uns dois quarteirões pela ruela que fica ao lado da saída. A churrascaria fica à esquerda.

Já comeu "vinagrate"?

Maionese, "vinagrate", arroz, salada...

A Ji Young horrorizou com a carne mal passada. "Esqueceram de assar!"

Lugar bacana. Meio "chicoso" demais pra mim, mas se tem uma coisa que os restaurantes, bares e cafés na Coreia se preocupam é com a decoração. O preço não é baratinho, mas vale à pena: 28.000 wons (45 reais) pelo rodízio de churrasco da melhor qualidade.
......................................................................................................

Voltando um pouco mais, tivemos uma reuniãozinha aqui em casa, na qual a Ji Young passou por um dos testes mais difíceis que um mineiro pode aplicar: fazer pão-de-queijo! Taí a foto da pobrezinha pelejando com a massa grudenta entre os dedos.

E não é que o trem ficou bão? Pena que não lembrei de tirar foto do depois, mas acho que a Giovanna tirou algumas e deve me mandar depois (né Gi?).
......................................................................................................

Depois tivemos mais comilança na casa do Juliano. A mestre cuca Eun Bee fez uma lasanha de beringela de lamber os beiços! Até o Gustavo, que é um menino de Brasília e por isso foi criado na ilha da fantasia, teve que reconhecer que os legumes podem ser saborosos! ^_^

Todo mundo rodeando e preparando para atacar!

Não estranhe: aqui na Coreia todo mundo corta comida com a tesoura mesmo.
......................................................................................................

E para finalizar, no último sábado o Ryan, coreano namorado da belorizontina Ana, convidou a gente para mais um junta-panela. Mais comida brasileira engordativa. Maravilha!

Não, o cachorrinho não era parte do banquete.

Estrogonofe, uns lombos e outras gororobas improvisadas, do jeito que a gente gosta!

Finalizamos a noite com grande estilo (ou quase): improvisamos um noraebang (karaokê) brasileiro! Saiu de tudo, meu amigo. De Djavan a Molejo. De Tom Jobim a É o Tchan. A foto foi tirada no momento do "...é o amooooorrrr!!!", de Zezé di Camargo e Luciano. Apesar da decadência musical, a gente se divertiu. Estranhamente, voltei para casa achando que K-pop nem é tão ruim assim... Pelo menos não depois relembrar um pouco do nosso B-pop.

PS: Desculpem a falta de qualidade das fotos. Estou temporariamente descamerizado, e por isso só tenho registrado as coisas com o celular. Abração pra todo mundo!

Meu primeiro samgyeopsal nas férias

Enfim, férias! Só esperem que eu não tire férias do blogue também, porque a vontade de ficar longe do computador tá grande. Fiquei traumatizado passando tanto tempo com ele, digitando trabalhos e mais trabalhos...

A boa nova é que logo no primeiro dia de férias já juntamos a turma e fomos para Anmyeondo para "brincar" (no sentido coreano da palavra). Eu já tinha ido lá em junho, mas foi muito legal ver que em estações opostas alguns lugares mudam completamente, então nem fica repetitivo.

Nossa turma em frente à casa onde nos hospedamos em Anmyeondo 



A minha filmadora trabolhilda está de volta à ativa, e espero ter tempo de mostrar muita coisa bacana aqui pra vocês. O lugar em que ficamos era muito tranquilo e bonito, e como nevou bastante ficou melhor ainda. À noite, depois de nevar, o céu se abriu e pela primeira vez vi uma noite estrelada na Coreia como no interiorzão do Brasil. Quem mora em cidade grande sabe como é difícil ver um céu limpo de dia e até as menores estrelas à noite. Essas pequenas coisas recarregam minhas baterias!

Mas hoje eu selecionei um pequeno trecho que gravei para falar sobre a comida coreana. Mais especificamente o sampgyeopsal (삼겹살), o churrasco coreano.

Vou ser sincero. A comida coreana, para mim, não é daquelas que descem fácil logo de cara. Ela tem muitas semelhanças com a comida japonesa, mas, ao contrário da japonesa, que pega bem leve nos temperos, a comida coreana manda ver na pimenta. Um brasileiro que queira viver na Coreia e comer só a comida local tem que ter o estômago muito bom pra comer de tudo, ou então gastar tempo provando e descobrindo os pratos que o agradam.

Com o samgyopsal, no entanto, a coisa geralmente é diferente. É a típica comida que ocidental come aqui sem maiores problemas. Sam (삼) significa três, gyeop (겹) significa dobrasal (살) significa carne. É um tipo de corte da carne do porco que tem três camadas de gordura. O dia 3 de março é também o Dia do Samgyeopsal, só por causa da data (3/3). Mais uma ideia comercial, bem no estilo do Dia do Pepero (11/11).

Uma coisa que eu gosto na comida coreana é que, em geral, ela é tem mais verduras e legumes que a deliciosa comida mineira, por exemplo. Uma típica "comida de domingo" na minha casa em Minas, seria ou lasanha, ou churrasco (carne, carne, carne, carne... e pão-de-queijo!), e talvez um feijão tropeiro. E de sobremesa, doce, claro. Doce-de-leite, doce-de-cidra, goiabada com queijo, doce de figo, arroz-doce, enfim... tem que injetar açúcar na veia!

Parece uma coisa óbvia a equação "sobremesa = doce". Mas não na Coreia. Aqui o conceito de sobremesa praticamente se resume às frutas. Às vezes até alguma "papa" de algum legume pode ser considerada "sobremesa". E no prato principal, enfia-se verdura onde der!

Apesar dos hábitos alimentares dos jovens estarem sendo bem ocidentalizados, considero a alimentação aqui ainda infinitamente mais saudável em alguns aspectos. Na hora da refeição, por exemplo, você não vê ninguém reclamando que não tem refrigerante. Geralmente é um copinho d'água ou uma sopa aguada.

Eu, chocólatra e criado à base de doces mineiros, tenho um paladar que sempre implora por doce depois das refeições. Mas, pensando mais racionalmente, vejo o quanto minha alimentação tem melhorado, afinal de contas, desenvolver um diabetes não está nos meus planos futuros...

Pra vocês que estão daí e podem comer churrasco "de verdade", aqui vai um vídeo da gente fazendo o samgyeopsal. Bom apetite! :)

http://www.youtube.com/watch?v=yWgBMy6hiaM

Churrasco e ginco-bilobeiras

Seul foi muito agradável. Saí direto da prova que tive ontem de manhã e fui pegar o ônibus. Cheguei a tempo para mais uma massagem. Estou começando a gostar desse negócio. Mas dessa vez foi massagem de verdade, profissional, sem maquininha. E foi no corpo inteiro, da nuca até no dedinho mindinho do pé. Até minha poupança a mulher massageou, igual minha vó preparando massa pra fazer rosquinha.

Depois peguei o metrô e fui encontrar com o Juliano e a namorada dele, a Eun Bee. Finalmente nos encontramos pessoalmente! Após uns 6 meses trocando e-mails e lendo o blog dele, a gente se conheceu. Estava também o Gustavo, a namorada coreana dele (esqueci o nome!) e o Jamali, um bangladeshiano (ou bengalês) amigo do Juliano. A idéia era reunir uma turma grande de brasileiros, mas muita gente furou. Tudo bem, a gente se fartou de carne no rodízio! Maravilha!


De lá eu fui pro quarto do Jamali, que me ofereceu hospedagem. O cara é gente finíssima! Ri de tudo. Como o tempo tava chuvoso no fim de semana, meu plano era voltar pra Cheongju hoje de manhã, mas assim que saí na rua e vi que o dia tava lindo, tive que dar uma voltinha. Tirei umas fotos perto da casa do Jamali, peguei o metrô e desci na estação do COEX, onde o Juliano disse que tinha pão-de-queijo. Mas chegando lá deu preguiça de procurar o bendito pão-de-queijo naquele tamanho de shopping e resolvi ir andando até o Complexo Esportivo dos Jogos Olímpicos de 1988. Foi muito agradável, apesar de que, mais uma vez, não consegui ver coisa alguma dentro dos estádios porque estava fechado.

Mesmo assim fui admirando as "gingko trees" (árvores de ginco biloba). São essas que ficam amarelinhas no outono, e aqui eles colocam isso nas comidas. Faz bem pra memória, dizem. Taí um vídeo que gravei de uma dessas árvores na estação Hyehwa (perto do Jamali). Abraços!