Viewing entries tagged
Suwon

Forte Hwaseong, Suwon

O Eder, outro brasileiro que está fazendo mestrado aqui na Coreia, contou que hoje foi a Suwon (cidade onde morei até pouco tempo e onde fica um dos campus da Kyung Hee) e conheceu o forte Hwaseong, uma muro que foi construído pelo rei Jeongjo, no século XVIII. Esse rei queria inclusive mudar a capital da Coreia para Suwon, mas acabou não dando certo.

Enfim, por causa da tuitada do Eder acabei lembrando que tinha um vídeo aqui que fiz quando meus pais vieram me visistar. Montei 3 DVDs para eles guardarem de lembrança, mas não publiquei quase nada no blogue, afinal não dá pra ficar escancarando a vida da gente na internet assim, mais do que já o faço. Mas como esse vídeo não tem nada de muito íntimo (além da minha mãe lavando o sovaco com a água do riacho que passa dentro do forte), aqui vai um dia de verão no Forte Hwaseong pra vocês.

Subindo as montanhas da Coreia

"Qual é o seu hobby?" é uma das perguntas mais comuns de se ouvir aqui na Coreia. E você tem que escolher uma coisa. Uma só. Tem que ter algo que você adore fazer quando não está trabalhando. Não vale dizer que gosta de dormir, brincar com os filhos, dançar ou ler um livro. Não. Tem que estar na lista oficial dos hobbies tradicionais registrados e beatificados na Coreia: jogar futebol, beber, jogar golfe, esquiar, beber, jogar jogos de computador, yut-nori, beber... e, claro, caminhar na montanha!

Papai do céu, pra compensar a pequeneza na península coreana, encheu-a de montanhas. Dizem que apenas 30% de toda a península seja plana. Assim, se você "esticar" o país todo, deve dar o dobro de superfície. Questão geométrica, sabe como é né...

Por isso, se seu hobby for caminhar na montanha, seus problemas estão resolvidos, porque tem uma em qualquer canto. Só não dá pra pensar que "montanha" aqui vai ser uma K2. A palavra para "montanha" em coreano, san (산), pode se referir a uma montanha, um pico, um monte ou só um morrinho. Esse pessoal aqui quer me impressionar com uma subidinha qualquer, esquecendo que sou de Campo Belo, cidade que tem morros que faziam meus parentes de Brasília acharem que o carro viraria para trás na subida.

Mas uma coisa eu tenho que admitir. Os coreanos aproveitam os montes deles muito mais que os mineiros que também vivem cercados deles. Em praticamente todo monte aqui há uma trilha para caminhada limpa, com placas, bancos para descansar e até corrimão nos pontos mais críticos. E mesmo com uma boa infra-estrutura é comum ver gente com roupas de alpinista, botas especiais e vara de trekking. No verão, então, as ajummas se vestem de Darth Vader pra subir a montanha. Não há mosquito que toque sua pele e saia ileso. Não há raio de sol que produza vitamina D. Com exceção do cabelo de permanente pra fora do boné, é tudo lacrado.

∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙∙

Outro dia fui caminhar no monte que cerca a minha universidade. Aliás, toda universidade aqui fica ou ao lado ou em cima de um monte. O da Universidade Kyung Hee de Suwon se chama Maemisan (매미산), que significa Monte da Cigarra. E faz juz ao nome no verão... ô bicho escandaloso dos infernos!

Mas no dia em que subi o monte (na semana do Chuseok), me impressionou o número de árvores caídas por causa do tufão que tinha passado aqui duas semanas antes. Contei umas vinte árvores grandes que caíram pelo caminho.

Olha o estrago do tufão lá atrás

E aqui vai o vídeo que fiz:


Há um ano e meio também fiz um vídeo no Monte Uam (우암산), que fica ao lado da Universidade de Cheongju. Lembro que gravei numa manhã de inverno, após uma noite de nevasca, e ainda assim tinha gente na montanha! Vamos relembrar:


Cerejeiras


As cerejeiras, também conhecidas como "sakuras" (palavra japonesa, evite-a na Coreia), estão mandando ver nesta semana. E é exatamente a semana das provas do meio do semestre. Minha vontade era poder sair mais pra aproveitar o ambiente agradável que essas árvores proporcionam.

No campus da Kyung Hee de Suwon tem um zilhão de cerejeiras, então pelo menos respiro um pouco de paz. Sério, quando sento num banquinho na frente do meu departamento e vejo tudo branco, sinto que cheguei ao céu (daqueles céus de novela). É cerejeira que não acaba mais!

Depois acordo e volto pra realidade do mestrado. O vídeo acima mostra um pouco das cerejeiras que filmei em Yeouido (Seul) e no campus da minha universidade. E todo mundo feliz. ^_^ É impressionante como a estação muda o humor das pessoas...

É neve pra todo lado!

Hoje eu acordei bem cedo só para me ver na TV, já que o programa é tipo um "Bom Dia Brasil" da Coreia. E qual não foi minha surpresa ao dar uma espiadinha pela janela e ver tanta neve! A previsão do tempo dizia que havia uma pequena possibilidade de nevar aqui em Suwon na madrugada. Acabou sendo a maior nevasca que a região metropolitana de Seul já viu em quase uma década.

Apesar de estar morrendo de sono, resolvi dar uma voltinha pra filmar a branquidão do meu bairro. Os poucos carros que se arriscaram a sair tiveram muitos problemas. O trajeto Seul-Suwon, que leva em média 50 minutos de ônibus, hoje levou de 3 a 4 horas! Não é à toa que estão estendendo mais duas linhas de metrô até aqui. E o Gustavo reclamando de uma nevezinha de nada em Cheonan... hoje o cara deve ter morrido de depressão!

Aqui vão algumas cenas de hoje de manhã. Pra vocês no Brasil, curtam o sol (ou a chuva né!). Abraço!


Volta às aulas...

A mamata acabou. Com o início das minhas aulas veio também uma carga de leitura que vai tomar todo o meu tempo. Mas também, queria o quê? O cara vem fazer mestrado na Coreia...

Mas graças a Deus gostei muito das aulas! Os professores parecem ser bacanas, e meus colegas mais ainda. Já fiz amizade com uma turminha boa, e o "hyeong" da galera (o mais velho) já até arrumou ingresso de graça pra gente ir assistir a um jogo de beisebol hoje.

Aliás, esse hyeong foi o primeiro coreano com quem conversei no primeiro dia de aula. Cheguei e perguntei o nome dele, ao que ele respondeu "Marcelo". "Ahn? Coreano com nome 'Marcelo'?" "É que eu morei no Paraguai 2 anos e falo espanhol, então prefiro que me chamem de Marcelo."

Nossa, será que não tinha lugar melhor pro cara ter morado não? O nome verdadeiro dele é Won-Seok (원석), e tem me ajudado bastante nos primeiros dias (inclusive me apresentando TODAS as suas amiguinhas... hehe).

Bom, aqui vão algumas fotos que tirei do "Global Campus" da Universidade Kyung Hee de Suwon.

Entrada da universidade.







Biblioteca Central.


Saguão da biblioteca.

Pátio principal, em frente à biblioteca.






Eu, sentadão no banco, e meu departamento logo atrás.

Bosque que fica atrás do meu prédio, geralmente bem vazio e ótimo pra relaxar.

Prédio de Música e Artes.

Centro de Pesquisas Espaciais.

Lago em frente ao anfiteatro.

Anfiteatro onde acontecem apresentações e shows (inclusive K-pop!).


Ponto de ônibus, onde pego para ir para o portão principal.

Então. É nesse campus que vou estudar todo santo dia. Se eu sumir do blogue de vez em quando, pode saber que estou estudando... ou não né.

Uma voltinha no meu bairro

Aproveitando que ainda tô à toa na vida até dia 31, hoje eu saí pra tirar umas fotos do meu novo bairro, o Yeongtong-dong. É que eu tô bem contente com o lugar onde tô morando agora. Além de ser perto da universidade, aqui tem tudo o que eu preciso por perto: vários restaurantes, Home Plus (o "Carrefour" da Coreia), uma rua só de bares, vários parques e muita área verde.

Mas antes de mostrar as fotos, deixa eu explicar uma coisinha sobre esse "-dong" no nome do bairro. Na verdade, o nome é "Yeongtong" e a partícula "-dong" em si significa "bairro". Em coreano se usam esses sufixos o tempo todo para qualificar um local como sendo bairro, distrito, cidade, etc. Aqui vão alguns desses sufixos, que talvez você já tenha lido em algum nome de lugar na Coreia:

-do (도): província
-si (시): cidade
-gun (군): região
-gu (구): distrito
-eup (읍): sub-região
-myeon (면): sub-região
-dong (동): bairro
-ri (리): vila

Na prática, no entanto, eu só vejo usarem -do, -si, -gu e -dong. De modo que meu endereço fica assim: Gyeonggi-do Suwon-si Yeongtong-gu Yeongtong-dong (província de Gyeonggi, cidade de Suwon, distrito de Yeongtong e bairro Yeongtong). Mas na Coreia sempre se organiza do maior para o menor, assim como as datas. Hoje, por exemplo, são 2009.08.29.

Engraçado é que "-gu" ora é pronunciado como "gu" ora como "ku". Então o cara chega e te pergunta: "Em que ku você mora?".

Mesma coisa com o nome do Gustavo, cujo apelido é "Gu", mas a coreanada só chama o coitado de "Ku"...

Da próxima vez tem mandar tomar no distrito!

Bom, chega de besteirol e vamos às fotos. Eis aqui a vizinhança onde vou passar meus próximos 2 anos.



Esse é um dos pequenos parques que ficam bem no meio do bairro, no centro de uma meia-lua de quarteirões com prédios de no máximo 4 andares, voltados para os estudantes. Note que há equipamentos para fazer exercícios físicos, como em toda praça e parque da Coreia.

O ajoshi lendo seu livrinho no parque.


Uma fonte (desligada) com uns prédios públicos ao fundo.



Aqui é o limite do bairro com um montanhazinha. Do outro lado dela já é a cidade de Yongin.

Alguns dos pequenos prédios de que falei. Os condomínios com prédios grandes ficam mais afastados.

Aqui tem dezenas de "cafés" por toda parte. Tá dando pra ler o nome desse aí?

"Você"! Os coreanos (como os brasileiros) adoram usar palavras estrangeiras para soar mais chique. Muitas vezes nem sabem o que significam ou não têm nenhuma relação com o país da língua usada.

Um dos muitos restaurantes com peixes ou frutos do mar. Bacana é que você sempre encontra esse aquário na porta, pra mostrar que a comida é fresca.

Esse aquário tá cheio de "baiacus", aquele peixe que incha e fica gordinho. Se não for preparado corretamente pode envenenar a pessoa.

O baiacu com cara de... [apelido do Gustavo na pronúncia coreana]


Pra coreano ficar mais chique ainda, eles inventam de jogar golfe indoors.

Essa aí é a entrada da Universidade Kyung Hee, campus de Suwon.

Essa é a rua dos bares. À noite eles espalham mesas pra todo canto e os jovens se juntam pra beber, comer e jogar conversa fora. Eu gostei muito, porque mesa ao ar livre não é algo comum na Coreia. Me lembra os bares do Brasil.

Por falar em Brasil... olha o nome do bar na placa amarelinha: 브라질 (Brasil)! Mas pra variar, no dia em que eu entrei lá pra ver como era, a dona me disse que não tinha nem comida nem bebida brasileira, e muito menos uma PESSOA brasileira. Eles escolhem nomes assim só pra dar um "tema" pra decoração do bar que, aliás, tinha só foto de bicho feio: Ronaldo, Ronaldinho, Pelé... e algumas bandeiras do Brasil.


Uma visão mais de cima dessa área de bares e outros tipos de entretenimento. Prédio comercial na Coreia, visto do lado de fora, parece um cardápio gigante. Você não precisa entrar pra saber o que tem lá dentro.

Aí tem também um pátio/parque com uma ponte passando por cima da avenida principal.



Do outro lado dá de cara com mais uma montanhazinha.

Essa é a avenida principal, que está toda em obras, porque estão extendendo a linha amarela do metrô de Seul (Bundang Line) até chegar na estação de Suwon, na linha 1. O Home Plus está logo à esquerda na foto.

E esse foi o tour pelo meu novo bairro. Depois mostro mais do campus da universidade e os arredores pro lado da montanha, com um lago onde se pode pescar. Fico aqui aguardando a visita dos meus amigos leitores!

Grande abraço a todos.

A Lei de "Mópi" me pegou de jeito!

Estou falando da Lei de Murphy. "Mópi" é como os coreanos pronunciam. Então deixa eu explicar. Estou aqui em Suwon, cidade onde vou estudar a partir do próximo semestre. Alguns pensaram que seria Seul né? É quase. A Kyunghee tem dois campus (campi?), e meu curso fica no campus de Suwon. Mas é bem do lado, tanto que de metrô até a estação Sadang, no sul de Seul, leva 30 minutos.

Vim pra cá no sábado para procurar um lugar pra morar, porque não aguento viver mais em dormitório. Voltei na segunda com o Yosep, que me ajudou a escolher um "one-room" (kitnet) e a fechar o contrato. E vim de novo ontem, terça, para ir no Escritório da Imigração para renovar meu visto.

Onde entra a Lei de "Mópi" nisso? Vamos lá:

1. Saí de casa, esqueci um "detalhe" - meu passaporte - e tive que voltar. Estava chovendo.
2. Chego na estação de trem de Cheongju, e tinha acabado de passar o que eu tinha que pegar. 50 minutos de espera.
3. Da estação de Suwon, tinha que pegar um ônibus. Fiquei 20 minutos esperando no ponto errado. Rodei uns 20 minutos num calor úmido de uns 30 graus até achar.
4. Entrei no ônibus, que demorou muito mais que eu esperava. Desci no ponto errado.
5. Esqueci meu guarda-chuva no ônibus.
6. A chuva recomeçou.
7. Estava num lugar gigantesco, muito bonito. Procurei o tal prédio, cujo endereço achei na internet. Chegando lá, disseram que era apenas o Complexo Governamental da Província de Gyeonggi. Não tinha nada a ver com a Imigração de Suwon.
8. Voltei de metrô. Algum problema no sistema fez com que ele demorasse uns 20 minutos, quando era para passar a cada 7 minutos.
9. De volta à estação de Suwon, pedi informação, que nem a mulher do balcão escrito "Informações" soube dar.
10. Depois de muita procura, descobri o endereço certo. Cheguei às 16h30, peguei a senha 196, e ainda estavam atendendo a 150.
11. Fui atendido às 18h, para simplesmente me dizerem que faltava um documento dizendo que eu era bolsista do governo coreano. Na verdade, a Universidade de Cheongju emitiu uma carta com esse valor, mas disseram que teria que ser uma da Kyunghee.
12. Fui embora cabisbaixo. Deu fome. Abri minha mochila e peguei um "leite de banana" que tinha comprado, para descobrir que estava quente e estragado.

Resolvi então ir para Yeongtong-dong, que é onde vou morar a partir do dia 21, ao lado do campus da Kyunghee em Suwon. Achei melhor ficar aqui para ir à Kyunghee, pedir o tal documento e resolver isso hoje mesmo. Procurei um motel barato para passar noite, e finalmente algo de bom aconteceu. Pedi o quarto mais barato que eles tinham, cobraram no meu cartão, mas quando me levaram ao quarto descobriram que estava uma bagunça. E como não havia mais quartos vazios no momento, deixaram eu ficar numa suíte presidencial pelo mesmo preço! Uhuu! Depois de um dia de cão, alguma coisa boa tinha que acontecer!^^

Uma rua qualquer em Yeongtong-dong. Estou sem câmera, essa foto foi apenas achada na internet. Yeongtong-dong é um bairro novo, construído em 2003, com ares universitários (claro, tá do lado da universidade!).