Viewing entries tagged
KGSP

Saiu o edital para a bolsa de graduação do NIIED

Outra oportunidade de bolsa, desta vez pelo NIIED, no mesmo programa em que participo, só para alunos que vão cursar a graduação. Mais uma vez reservaram apenas uma vaguinha para brasileiros, mas agora o procedimento para inscrição mudou. Não li o edital todo, mas parece que em vez de fazer o processo pela embaixada da Coreia em Brasília ou o consulado em São Paulo, os candidatos devem contactar a universidade coreana diretamente.

Para mais informações, leia o edital aqui. Por favor, não me perguntem nada que esteja explícito no edital. Se você realmente tem interesse, deve ao menos lê-lo inteiro, linha a linha.

Boa sorte!

Feira de Universidades em Busan

Fomos a Busan ontem de manhã e voltamos hoje à tarde. Olha a foto da cidade, que maravilha!

No entanto, esta postagem é para deixar o leitor deste blog por dentro da nossa "maravilhosa vida tribulada" na Coreia nos últimos tempos. Refiro-me a nós, bolsistas do governo coreano selecionados em 2008.

O negócio é o seguinte: o governo da Coreia tem um plano até 2012, se não me engano, de trazer milhares de estudantes estrangeiros para estudar aqui. O objetivo é promover a cultura, a língua e o ensino superior da Coreia do Sul. Eles começaram com esse programa KGSP (Korean Government Scholarship Program) mais timidamente, trazendo poucos estudantes. Mas nós somos cobaias do "bum" que resolveram fazer, e viemos com outros cerca de 500 estudantes ano passado.

"Qual o problema?", você se pergunta. O problema, meu caro leitor, é que os quinhetinhos que vieram para terra dos norebangues (versão aportuguesada), estão divididos entre "unrestricted" e "designated". Ser um bolsista "unrestricted" significa que você pode se candidatar para QUALQUER universidade na Coreia e, ao ser aceito, o governo paga tudo. Mas se não for aceito em nenhuma universidade, bye-bye Korea! Isso mesmo. Perde a bolsa e volta com o rabinho entre as pernas. Ser um bolsista "designated" significa que você só pode escolher uma universidade da lista de 35 que o governo oferece, e a vantagem é que, mesmo que você não seja aceito em nenhuma delas, no final das contas eles te mandam pra algum canto da Coreia que vá com a sua cara, e lá você vai estudar, de um jeito ou de outro.

E o rapaz vestido de motorista de ônibus com jaqueta de couro ao lado (eu!) é um "designated".

"Nossa, graças a Deus que sou designated!" eu pensava no início. O problema é que ao todo somos 300 designated, espalharam exatamente 300 vagas pelo território coreano, mas 80% quer estudar em Seul, o que inclui euzinho aqui.

E daí?

E daí que estamos todos estressados, porque a concorrência tá cruel. Ninguém quer ir parar sozinho numa cidade dos cafundós da Coreia, por mais que digam que a cidade é moderna e tem de tudo.

O esquema funciona assim: temos que nos inscrever em 5 universidades da lista (veja abaixo), colocando a ordem da preferência. Se não der na primeira, porque há limite de vagas, vão tentar a segunda, terceira e aí vai.

Hoje, eu "apliquei" (acho que essa palavra vai acabar entrando pro dicionário de português oficialmente) na Universidade Kyung Hee, que tem dois campus (tá, o plural é campi, mas soa esquisito), um em Seul e outro em Suwon, que fica na região metropolitana de Seul, então dá quase na mesma. Tenho uma semana para decidir sobre o restante da lista, e como todos os outros, estou tentando pensar numa estratégia que não seja suicida.

Estou torcendo para não seja necessário usar o restante da lista, porque serei aceito na primeira opção. Mas não custa receber as orações e a torcida do povo do lado daí da bola né... hehe.

Aqui vai a lista de universidades (em ordem alfabética coreana), com o número de vagas. As que estão em negrito são as que ficam em Seul. Alguma sugestão? rsrs.

1. Kangwon National University (8)
2. Konkuk University (8)
3. Kyungpook National University (17)
4. Gyeong Sang National University (7)
5. Kyung Hee University (17)
6. Korea University (8)
7. Kongju National University (8)
8. Kookmin University (8)
9. Daegu University (13)
10. Dongseo University (4)
11. Dong-A University (4)
12. Myongji University (7)
13. Mokpo National University (4)
14. Pai Chai University (8)
15. Pukyong National University (4)
16. Sogang University (4)
17. Seoul National University (17)
18. Sungkyunkwan University (17)
19. Sookmyung Women's University (4)
20. Yonsei University (17)
21. Yeungnam University (8)
22. Woosuk University (4)
23. University of Ulsan (4)
24. Wonkwang University (8)
25. Ewha Woman's University (13)
26. Inha University (13)
27. Chonnam National University (13)
28. Chonbuk National University (8)
29. Chosun University (7)
30. Cheongju University (8)
31. Chungnam National University (7)
32. Korea University of Technology and Education (7)
33. Hanyang University (8)
34. Hongik University (4)
35. Korea Development Institute (4)

Além de tudo, para piorar a situação dos não-asiáticos que queimam 2 milhões de neurônios todo dia para aprender coreano, o NIIED ainda vai pesar as notas que tivemos no KLPT (prova de proficiência em coreano) para influenciar diretamente na seleção, ainda que o programa de mestrado ou doutorado seja 100% em inglês. Para os bolsistas que serão selecionados em 2009, parece que as regras vão mudar um pouco. Vai ter menos gente e menos designated. Não sei como vai ser a distribuição das vagas, mas espero que facilitem as coisas.

Página 2 da nossa viagem a Busan

Tirando o estresse geral por causa dessas incertezas passageiras, foi bom ir para Busan (de novo!). Serviram um jantar bacana com muuuitas opções de comida não-coreana, então comemos até estufar a veia da testa. Ficamos num hotel de frente pra praia e encontramos os amigos que só vemos nessas ocasiões estressantes. Por falar nos meus queridos amigos, hoje na hora do almoço lá estávamos eu, Gustavo, Briza e Emek sentados numa mesa da lanchonete da universidade anfitriã da feira em Busan, quando de repente chega um chinês com uma baita duma câmera pedindo para gravar algumas cenas com a gente. Eles adoram cara de ocidental. Tiram zilhões de fotos e usam nossa imagem para fazer propaganda (depois conto mais sobre minha experiência de modelo fotográfico aqui em Cheongju... rsrs).

Mas então, lá estávamos nós, conversando sobre a vida, e esse carinha tira o nosso sossego pra gravar nossa cara. E ainda abusou: pediu para fazermos caras e bocas. Até que o sujeito ficou sem-vergonha mesmo. Pediu para eu e a Briza fingirmos que somos namorados. Precisa de uma imagem romântica (sei lá pra quê!). Enquanto tava só "sentar mais perto", beleza. De repente o chinês safado pediu pra gente beijar! A Briza, coitada, ficou vermelha, cor-de-rosa, laranja abóbora... e disparou a rir de vergonha... hahaha.

Quem vier para a Coreia, prepare-se para os assédios. Principalmente se você for mulher loira ou homem narigudo... rsrs. (Aí Gustavo, essa postagem foi pra você parar de falar que não atualizo meu blog decentemente! hehe). Abraços!

Bolsa de Mestrado e Doutorado na Coreia


Saiu nesta semana o edital da bolsa de mestrado e doutorado do governo coreano (KGSP) para 2009. É a bolsa que consegui e pela qual estou estudando aqui na Coreia. Para os interessados, os únicos requisitos são: falar inglês (apesar de que o nível que exigem nem é lá essas coisas) e já ter concluído um curso superior.

A bolsa inclui passagens de ida e volta, seguro-saúde, o preço total do curso da universidade escolhida e uma mesada de 900 mil wons (hoje corresponde a R$1450,00).

Para ter acesso ao edital, entre no site do NIIED, clique em "English" e depois em "Korean Government Scholarship Students". Você vai encontrar os editais tanto para Graduate Program quanto para Undergraduate. No edital não dá para saber quantas vagas tem para brasileiros, mas no ano passado foram oito. Para se inscrever e saber mais informações, é necessário entrar em contato com a embaixada coreana no Brasil pelo e-mail embbr1@linkexpress.com.br (fale com a Marcela Formiga, se ainda for a mesma pessoa que trabalha lá).

O prazo final para inscrição é 30 de maio. Aos interessados, boa sorte!

A antípoda de Santa Vitória do Palmar

Finalmente livre! Pelo menos por enquanto. Terminamos as provas hoje. Aproveito para agradecer o Juliano que corrigiu minhas frases preparadas. A professora escolheu os tópicos 1 e 2 pra mim, mas na hora deu branco e acabei improvisando tudo! =D (fim do prelúdio)

A viagem para Jeju-do foi divertidíssima. O frio estava de lascar! Mas a turma estava de arrasar! Foi muito bom ver o mar! E eu gosto muito de rimar!
A foto acima é das bandeiras da província/ilha de Jeju-do e da Coréia do Sul, respectivamente. Ao fundo um mar cujo nome nenhum coreano soube me dizer ao certo. Mar do Japão? Na Coréia, não. "Mar do estreito da Península da Coréia?". Pra mim é o Pacífico.
Uma curiosidade: quem checou o link da Wikipedia sobre Jeju-do, deve ter lido que Jeju-do é a "antípoda" do município brasileiro de Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul. Significa que são dois pontos no planeta que ficam EXATAMENTE opostos um ao outro. Se um cidadão de Santa Vitória do Palmar cavar um buraco em linha reta que passe pelo miolo da Terra, vai chegar em Jeju-do. É o caminho mais perto.

O drama da comida jejudoriana: praticamente só frutos-do-mar! Para quem gosta, ótimo. Para o pobre mineiro aqui, que de peixe só conhece lambari e tilápia fritos, as ostras, mariscos, lulas e afins são um tanto quanto estranhos. Mas graças a Deus eles serviram peixes deliciosos, e não precisei me sucumbir aos moluscos.




Os KGS de Cheongju estavam inspirados. Apesar do frio a gente riu e se divertiu bastante. Os guias coreanos tentavam cortar o barato: "ppalli oseyo! ppalli oseyo!" (anda logo! anda logo!). "PPALLI", que significa "rápido" é a palavra que mais ouvimos na Coréia. Principalmente os latinos, que nunca têm pressa nenhuma. Mas a nossa estratégia foi bem simples: ignorá-los. Quando as professoras ou os guias vinham encher o saco porque a gente só tinha 30 minutos para tirar foto do lugar tal, a gente fingia que não ouvia, dava uma bocejada e saía assoviando. A Agatha, uma carioca de sangue quente, mandava o pessoal ir pentear macaco toda hora. Coreano não sabe curtir uma boa paisagem com calma. Fiquei observando os turistas coreanos: eles chegam, tiram a foto, e correm pro próximo ponto. Eu parava, respirava, sentia o lugar, olhava pro céu, agradecia a Deus, e deixava os guias se descabelarem.


No meio da ilha, em lugares mais altos, tinha muita neve. No litoral, praticamente nada. Travamos várias batalhas de vida ou morte na neve. Acabei me machucando (de leve) por achar que neve é algodão. Tomei cada bolada de neve na testa que não foi brincadeira. Até as professoras entraram na onda! Todo mundo saiu cuspindo neve pela orelha (se é que isso é possível).

Nossa última parada na quarta, antes de virmos embora, foi no Love Land, ou Museu do Sexo. É, na verdade, um parque com várias esculturas de gente pelada ou transando, televisões com filmes eróticos, souvenirs sacaninhas, com plaquinhas em forma de pinto apontando as direções. Achei estranho encontrar isso na Coréia, um país onde ninguém se beija em público e homem mal tem contato físico com mulher. Muita gente se horrorizou com o lugar. O filho de 4 anos da "cazaca" (nossa amiga do Cazaquistão), se perdeu da mãe e foi encontrado chorando em meio aos pintos de 5 metros da praça. Poxa, é sacanagem né! Literalmente. Até eu choraria.

Essa foto aí é do pé da Agatha, que estava fazendo sei-lá-o-quê no banheiro. Tirei essa foto, primeiro porque os banheiros aqui são abertos. Do lado de fora você vê os carinhas tirando água do joelho e os pezinhos das meninas dentro das cabines. Isso quando não é um buraco no chão para as meninas agacharem! O fato é que a Agatha já está famosa aqui em Cheongju. Já é conhecida como a "hwajangsil yeoja" (garota do banheiro), porque ela sempre resolve ir ao banheiro na hora em que estamos atrasados para ir a outro lugar. Já até aconteceu de esquecermos ela num lugar e lembrar depois de o ônibus ter partido!

Felizmente não a esquecemos em nenhum banheiro de Jeju-do! =D

Mais adiante devo editar um vídeo com cenas da ilha. Por enquanto quero só descansar e esquecer um pouco das provas de ontem e hoje.

Abraços a todos! Inclusive aos novos leitores e "comentaristas" do meu blog. Pelo jeito minha mãe não é a única que lê acerca de minhas aventuras sul-coreanas.

Festanças de fim de ano

Tá bom. Lá vai.
O NIIED resolveu fazer uma "festinha" de final de ano em Seul, com todos os estudantes estrangeiros que receberam a bolsa do governo. É também uma maneira de exibir a gente por aí, porque coreano adora mostrar os estrangeiros que vieram pra cá. Mas o que deu o que falar mesmo foram as apresentações. Se não me engano, ao todo são 14 universidades que receberam a nós, os "KGS students", para aprender coreano durante o primeiro ano. E cada universidade deveria fazer uma apresentação, que concorreria com as outras universidades.
Pra resumir a história: aqui em Cheongju escolheram euzinho aqui pra liderar a galera pra fazermos alguma coisa. Uma boa parte da turma quis tirar o deles da reta, mas dei um jeito de constrangê-los e não abandonarem o barco, de forma que nossa apresentação foi a que reuniu o maior número de estudantes. Não tivemos tempo de ensaiar, mas tivemos quórum pra animar! Mixamos trechos curtos de músicas de 11 países/culturas diferentes e encerramos com duas músicas coreanas. Resultado: mobilizou a platéia toda e ficamos com o terceiros lugar (o que só ficou claro pra mim depois que voltamos pra Cheongju)! E ainda rendeu uns trocadinhos: 200 mil wons pra galera fazer uma festinha. Confira o surto coletivo abaixo, com a minha tapeação dançarinística.


Essa viagem pra Seul foi especialmente lucrativa para mim. Além dos 200 mil pra turma toda, ainda ganhei um "prêmio de excelência" do NIIED, com mais 200 mil. É um certificado super chicoso que diz que fui "honrado pelo meu excelente achievement no programa de língua coreana em 2008". A minha dúvida foi o critério da escolha, porque foram escolhidos 2 alunos em cada universidade, e eu tenho certeza de que minhas notas não são as melhores da turma, porque tem o Alex, o francês pomposo cujo hobby é estudar, fica triste quando tira 98, corrige o inglês de todo mundo e diz que não devíamos sair nos fins de semana, pois devemos estudar para chegar no nível 5. Quando ele viu meu prêmio, não escondeu a indignação: "How come you got an excellent achievement? You haven't achieved anything yet!". Desconfio que a escolha tenha sido subjetiva, com critérios das próprias professoras, que claramente não gostam da arrogância dele, e preferem minhas cantadas matinais embutidas: "Professora, como você está bonita hoje!" e "Cortou o cabelo hein, professora! Muito bonito!". De modo que estão chamando meu "prêmio de excelência" de "excelente galanteador"! haha.

Ainda em Seul aproveitamos bastante, porque a Briza, o Gustavo, a amiga paraguaia deles Cláudia, Juliano, sua fiel escudeira Eun Bee e eu saímos pra um bar, seguido de um karaokê, seguido de conversa fiada no apartamento do Juliano, seguido de um breve cochilo para descobrirmos a padaria que dá pão à vontade se você comprar um café entre 9h e 11h da manhã no sábado. Eu que não sabia o que era padaria há um bom tempo me empanturrei de pão! No blog do Juliano tem um post antigo sobre a descoberta desse paraíso panificatório. Minha felicidade será completa quando eu finalmente encontrar o famoso lugar onde se vende pão-de-queijo em Seul!

Mudando de assunto. Ontem à noite nevou bastante e hoje de manhã levei um tombo ao sair de casa. Neve no passeio, onde todo mundo pisa, é um perigo! Vira um rinque de patinação. Descobri da pior maneira. Tudo bem, bunda grande serve pra alguma coisa. Acabei me atrasando e encontrei o resto da turma no caminho, fazendo guerra de neve. Aí que atrasamos mesmo! Minha primeira guerra de bola de neve foi muito boa. No final, quem vinha chegando? O Biru! Pra quem não se lembra, é o indiano que dividiu quarto comigo nas primeiras duas semanas aqui. A galera é fã dele! Nos bons e maus momentos... hehe. Espia só o que aprontamos com o pobrezinho.



Que tal vir para a Coréia?

Eu não deveria estar atualizando meu blog agora. Tenho duas provas amanhã e tenho muita coisa para estudar. Mas tudo bem, meia horinha não mata ninguém.

Acabei de checar o site do NIIED e descobri que divulgaram lá a lista das universidades onde poderemos estudar no ano que vem. O ruim é que tem 500 estrangeiros aqui e a cota para universidades em Seul (para onde 90% dos estudantes querem ir) é de cerca de 60 vagas. Espero estar entre os tais!

Divulgaram também o edital para o mesmo programa do qual participo (KGS - Korean Government Scholarship), só que para a graduação. No total são 150 bolsas, sendo que apenas uma é para o Brasil. Acho que foram razoáveis, se considerarmos a procura. Parece que em 2007 houve 2 candidatos. E quando eu me inscrevi em junho, o que mais ouvi foi "Coréia? Tá maluco?". Aos interessados, saibam que estou muito satisfeito e tem sido uma experiência muito enriquecedora! Mais informações sobre a bolsa no site do NIIED (tem um link para a página em inglês no canto). Abaixo é a propaganda-convite gravada pelos dois malucos de Cheongju, Agatha e eu. Qualquer semelhança com algum outro comercial é mera coincidência.




Outras breves notícias:

1) Os KGS's de Cheongju (eu e mais 39) vamos pagar o maior mico da história nesta sexta-feira em Seul. Pediram pra gente fazer uma apresentação e resolvemos mergulhar nessa juntos. Duração: 10 minutos. Número de ensaios: 4 (quatro!). Mais detalhes na semana que vem, quando provavelmente divulgarei o vídeo da insanidade coletiva.

2) Teremos aulas um dia antes e um dia depois do Natal.

3) Iremos para Jejudo dia 8 de janeiro (a ilha mais famosa da Coréia, que fica ao sul da península). Ainda não sei o que vamos fazer lá, visto que o lugar parece ser bom de se ir no verão. Mas tudo bem, de graça até injeção na testa, como diz a sabedoria do povo. E como a Briza não atualiza o blog dela e o Gustavo não conta as boas novas, já digo que eles vão pra lá antes de mim. Se não me engano na semana que vem.

Fico por aqui!

Estabelecendo comunicação

Finalmente consegui manter contato (sei la de que grau) com os coreanos. Alias, comunicacao mesmo foi soh com um deles. Eh o cara que fica no quarto ao lado do meu, e assim que cheguei em casa ontem, a porta dele estava aberta, com outros dois coreanos conversando. Entao ele me chamou pra entrar e comecamos a conversar. O ingles dele eh bem basico, entao quer que eu o ajude a melhora-lo, e ele me ajuda a aprender coreano. Engracado eh essa coisa que eles tem aqui com a idade. Eles precisam saber quantos anos voce tem para saberem se posicionar diante de voce. Dai quando eu disse que tinha 23 anos ele levou um susto! Acho que to meio acabadinho, viu. Foi entao que ele deu uma relaxada e passou a me tratar mais informalmente, porque ele tem 25. Oriental parece que soh comeca a ficar velho depois dos 40! Pra mim todos aqui tem cara de 17.

Depois ele me perguntou se eu acreditava em Deus, e nao escondeu sua felicidade quando eu disse que sim! Disse que era cristao e falou que vai me dar uma Biblia em coreano. Eu perguntei pra ele sobre as igrejas que vi nas ruas, que tipo de igrejas eram, etc. Ele me disse para ter cuidado, porque tem de todo tipo. Eu duvido que seja tao zoneado quanto no Brasil, onde voce encontra as Universais da vida crescendo assustadoramente. Pra ser sincero, gostaria de encontrar um lugar sem religiosismos mas tambem sem invencao de moda. Coisa simples, como Evangelho tem que ser e eh. "Evangelho" significa "boas novas, boas noticias", mas na maioria das vezes parece que soh se pregam "pessimas noticias" por ai. A boa nova, acredite, eh BOA. E se eh boa faz bem a alma. Eh saber que Deus e o homem sao reconciliados em Cristo, e que ja nao ha barganha nem sacrificio que nos aproxime mais dele, nem cagada na retranca que nos afaste do amor d'Ele. Eh simples assim. O coreano com quem conversei (eu esqueci o nome dele! eh dificil guardar nomes coreanos por enquanto!) ate ofereceu para reunirmos um pequeno grupo para orar de vez em quando. Por mim, sendo assim, nem preciso de "igreja" (institucionalmente falando).

Mudando de assunto, ontem descobrimos que o regime do alojamento vai ser mais ou menos militar. Todas as noites, de segunda a quinta, as 23h, os estrangeiros terao que fazer fila no corredor para contar quem esta presente. Durante dias de semana nao podemos passar noites fora, salvo em caso de urgencia, e os reincidentes poderao ate ter a bolsa cancelada. O pessoal reclamou bastante, mas eu nem ligo tanto (tirando o fato de ter que fazer a fila), afinal preciso ter mais disciplina com meus horarios e acho que isso vai acabar ajudando. E no final de semana a gente dah uma desandada no horario, claro! E isso vai ser soh durante o primeiro ano, depois cada um mora onde quiser, com quem quiser, e faz o que quiser na hora que quiser.

Vou ficando por aqui. Ta chovendo o dia todo desde ontem, e daqui a pouco vamos receber orientacoes gerais sobre o nosso programa.

Hasta la vista!

Segundo contato

Na falta de um titulo melhor, vai esse mesmo! Continuem nao reparando a falta de acento.
Esse fuso horario ta me matando! Ontem fui dormir tipo 7h da noite e acordei hoje as 3h30 e nao consegui dormir mais. Tomei banho, comi alguma coisa, a
ndei pela casa, li a Biblia, fiz de tudo que voce imaginar. Dai dei uma chegadinha na varanda e vi mais uns 20 quartos com a luz acesa! Pelo jeito nao era so eu com relogio biologico desregulado...

Hoje de manha fomos fazer o tal teste de nivelamento. Antes de sair fiquei ouvindo as oracoes hindus do Biru. Ele tem uma cartilha que le em voz alta toda manha. Depois fiquei perguntando sobre os deuses dele (ele trouxe 3 e colocou na estante) e fomos conversando sobre religiao. Eu perguntando sobre o que eles acreditam e ele querendo saber o que eh que a gente acredita no Brasil. Foi bem bacana! Em dois dias eu ja aprendi mais sobre o mundo do que eu imaginava. Eu, que nao sabia nada sobre a MONGOLIA, a MALASIA e o AZERBAIJAO, to abrindo minha cabeca pra um monte de maneiras de ver o mundo. A gente critica os americanos pela ignorancia cultural deles e acabamos esquecendo da nossa propria ignorancia, que acaba sendo mais hipocrita.

Mas voltando ao teste de nivelamento. Pra mim era uma formalidade
desnecessaria, afinal apenas uns 3 de todos os estrangeiros sabiam falar alguma coisa em coreano. O resto todo nao sabia nada, como eu. Mas aqui voce tem que seguir as regras e os procedimentos passo a passo, tim-tim por tim-tim. La fomos nos fazer a tal prova. E o pior eh que ate meu nome era capaz de eu errar, porque eu nem sabia onde escreve-lo. Devo te-lo escrito no lugar da data! =P

Depois fomos todos pro centro comercial de Cheongju, que eh tipo um "Shopping Oi" gigantesco, com ruas interminaveis, e mais barato ainda. Depois voltamos de onibus e vim conversando com a Oana, uma garota romena que ja estudou portugues e ouve Marisa Monte e Adriana Calcanhoto!

Abaixo vao as fotos, pra voces verem como eh aqui! Abracos a todos!

O predio da esquerda eh o alojamento masculino e o da direita ao fundo eh o feminino.

Essa eh a vista do meu quarto

Esse eh o meu quarto. Minha cama do lado direito, do Biru do outro.

Minha cama!

Vista do fundo, com a hortinha que falei.

Estatuas no centro comercial

Eu, querendo fazer compras


A turma voltando pra casa (uma romena, uma russa, um do Azerbaijao (qual eh a nacionalidade?), um indiano e o Galileo, gente fina de El Salvador

Mais gente: Vietna, Mongolia, Malasia, India...

Mongolia e Brasil!

No caminho pro Centro de Lingua Coreana, onde a gente vai estudar

Os coreanos adoram escrever em pedras!

Centro de Lingua Coreana



Primeiro contato

Oi, pessoal! Este eh meu primeiro contato direto do outro lado da bola. Desculpem a falta de acento, mas eh que acabo de encontrar uma lan house aqui, e jah gastei muito tempo tentando comunicar com o cara pra saber quanto eh que a gente paga! Se eu perguntar como configuro o teclado entao... eita.

Bom, entao vamos por partes. Tirei varias fotos ate aqui, mas esqueci o cabo da camera no quarto, entao mais tarde coloco-as aqui para todos terem uma nocao.

A viagem
Nao eh titulo de novela da Globo. Usaria duas palavras pra descrever a jornada pra chegar aqui: CANSATIVA e EXCELENTE. A primeira eh obvia. Sai de Campo Belo na segunda as 6h da manha, peguei o voo em Guarulhos as 14h e chegamos em Roma a 1h da manha (horario do Brasil). La em Roma ja eram 6h. Ate entao a Briza e eu nao haviamos encontrado os dois outros benditos brasileiros que viajaram com a gente (tinha mais um que iria com a familia, mas nao no mesmo voo). Entao, chegando em Roma o Gustavo ficou na porta do aviao com uma placa escrito BRIZA. Nao teve erro ne! Agora so faltava achar a Agatha, que eh a carioca que ficaria comigo em Cheongju. No saguao de embarque em SP mesmo eu ja tinha tentado sair falando "Agatha, Agatha, Agatha" em todos os cantos pra ver se alguem respondia, mas sem resultados positivos. Saindo do aviao em Roma, entramos num onibusinho que nos levaria para o outro lado do aeroporto, e la tentei de novo: "Ooo Agatha!!! Tem alguma Agatha aqui?". Ate que uma baiana disse que veio ao lado dela e que ela estava procurando a gente tambem. Depois de algumas descricoes foi moleza encontra-la. Com os quatro reunidos, comecou nossa breve e emocionante aventura italiana! Tinhamos 8h pra conhecer a cidade antes de pegar o voo pra Toquio. Conversa daqui, conversa de la (e eu falando meu italiano de novela) e achamos melhor pegar um metro pra ir pro centro de Roma. A principio nao vi diferenca nenhuma entre Italia e Brasil. Sujeira pra todo lado, o povo meio sem educacao (a gente tinha que pedir PELO AMOR DE DEUS para as aeromocas atenderem a gente no aviao). O metro indo pro centro e nada da gente ver a Italia que a gente queria. Tinha um casal se agarrando perto da gente, entao resolvemos interromper a agarracao deles pra pedir ajuda. O cara, Alessandro, foi super gente boa e nos ajudou com um roteiro pratico para conhecermos varios lugares que estariam pertos uns dos outros no centro de Roma. Depois voltou com a agarracao com a mulher. Eles eram italianos e haviam se conhecido ha 24 horas, e vinham do Camboja. O cara desceu primeiro e deixou a gente seguir com a moca, que nos ajudaria muito. La pelas tantas descobrimos que estavamos no trem errado! Ela ficou irritadissima e so fazia resmungar "ALESSANDRO!!!" toda hora. O quarteto fantastico do Brasil so fazia rir. E de fato era tudo muito engracado. Italiano eh engracado, porque a gente cresce vendo essas novelas italianas na TV e imitando italiano com a aquela entonacao e gesticulacao que todos conhecem. Pelo jeito era tudo verdade! hehe Anda pra ca, anda pra la, ela parecia estar mais perdida que a gente. Entao, finalmente, quando fomos pra outra estacao, topamos com um casal de brasileiros (uma paranaense e um carioca). Dai em diante nos despedimos da italiana e seguimos com os brasileiros, que apesar de morarem na Italia ha alguns meses ainda nao conheciam nada por la. So sei que quando saimos da estacao subterranea e subimos as escadas demos de cara com o Coliseu! Ninguem tava esperando que fosse assim, entao comecamos a gritar de felicidade e todo mundo olhando os brasileiros malucos maravilhados com a grandiosidade e beleza daquilo tudo. Tiramos um milhao de fotos no Coliseu e saimos andando pela cidade a fora conhecendo outros famosos pontos turisticos. Nao vou detalhar tudo aqui, senao demoro mais 3 horas. O negocio eh que cansamos de andar por la, e por fim decidimos pegar um taxi pra voltar pro aeroporto, pra nao correr o risco de perdermos o voo. O taxista era uma figura. Fiquei conversando com ele em portuliano, e ele ia dando um de guia turistico no caminho. E ainda por cima o cara tinha um tique de ficar balancando as pernas enquanto dirigia, entao era uma cena bizarra, porque o cara fica quicando no banco.
Seguimos para mais 12 horas de voo para Toquio. Sobrevoamos a Russia inteirinha, e fiquei emocionado quando passamos por Vladivostok, que sempre foi um territorio estrategico pra conquistar a Asia e a America do Norte quando jogavamos WAR com a turma em Campo Belo.
Em Toquio ja tava todo mundo exausto! Sorte que tinhamos pouco tempo ate pegar o proximo voo pra Seul. Nesse voo da Korean Air, a comida servida no aviao ja era coreana. Foi entao que senti o drama! A cara dela era boa. Parece ser um arroz com carne cozida e alguns legumes. O problema foi quando colouei a carne na boca, de leve, so pra sentir o gosto, e ja sai cuspindo fogo!!! A pimenta rola solta na Coreia! E ninguem faz nada pra evitar! O Gustavo foi mais esperto e devorou o prato em 2 minutos pra tomar coca-cola de uma vez. Ja eu sofri lentamente. Era uma garfada e um gole de coca!
Chegando em Seul, fiquei impressionado com a grandeza e modernidade do aeroporto. Eh tudo gigantesco! Eu tinha uma ideia de tudo pequeno na Coreia, talvez por ser tao pequena no mapa. Mas que nada! Um espetaculo. Ja na saida tinha duas coreanas com a plaquinha da Universidade de Cheongju rindo e acenando pra mim e pra Agatha. Foi uma recepcao calorosa. Despedimos da Briza e do Gustavo e pegamos o onibus pra Cheongju. Ficamos boquiabertos com a beleza e organizacao do pais pela estrada. Gracas a Deus, eh muito mais bonito do que eu esperava! Em Cheongju ja havia um estudante esperando a gente pra nos ajudar com o que precisassemos. Nao tivemos que pagar nada de nada! O cara chamou um taxi grandao e nos levou pro alojamento.

O alojamento
O apartamento eh otimo. Lugar super tranquilo e arborizado. Soh temos que tirar o calcado na porta. O chao eh tipo uma madeira fininha, com alguma coisa mais macia por baixo. Sao 3 quartos, uma sala e dois banheiros. Cada quarto eh duplo, ou seja, vou dividir o apartamento com mais 5. Estou temporariamente dividindo quarto com um indiano, e ate agora nao chegou mais ninguem. Ta pra chegar mais estrangeiros hoje e na semana que vem os alunos coreanos chegam. Falaram que cada estrangeiro vai ficar com um coreano no quarto. Eh tipo uma troca: os coreanos vao ajudar a gente a aprender e praticar a lingua deles, e nos vamos ajuda-los a falar ingles.

A primeira estripulia na Coreia
O lugar aqui eh tranquilo gracas aos coreanos, que sao timidos e falam baixinho. Pelo jeito os escandalosos aqui somos eu e a Agatha. O alojamento feminino fica ao lado, mas eu nao fazia ideia de onde a Agatha ficaria. Dai uma hora eu olhei pela janela e a vi andando pelo patio, e comecei logo a gritar com ela. Batemos um papinho gritando, e acho que vamos horrorizar esse pessoal daqui... hehe. O Josh (nome adaptado do estudante coreano que nos recebeu em Cheongju) nos levou para comer alguma coisa. Demos uma volta pelo campus, que eh muito bonito! Tudo o que queriamos era comer alguma coisa que nao fosse tao apimentada (depois que soubemos que ate doce de crianca aqui pode ter pimenta, ficamos com um pe atras!). Entao uma coreana simpatica preparou um sanduiche delicioso pra gente, e o cara, mais uma vez, pagou tudo. Parece que eh a universidade que ta bancando tudo por enquanto. A estripulia vem agora. Isso ja era tarde da noite, e o nosso manual de boas-vindas dizia que durante a semana deviamos estar no alojamento antes das 23h. Essa era a regra. Eu comentei isso com o Josh, mas ele me falou que comecaria a valer a partir da semana que vem. Entao nem preocupei. Mas assim que chegamos, despedimos dele, fui pra um lado e a Agatha pro outro. A porta da recepcao nao abriu. Olhei no relogio: 23h45. Putz!!! Fiquei preso do lado de fora logo na primeira noite! E olha que eu nem tinha dormido ainda! Entrei em panico por uns 5 minutos, ate que vi um coreano do lado de fora falando no telefone e fui pedir ajuda. No fim deu tudo certo, mas durante 5 minutos achei que passaria minha primeira noite na Coreia dormindo no banco da praca... hehe.

Agora sao 10h20 da manha aqui. Por algum motivo acordei bem cedo, tipo umas 7h. Deveria ter dormido mais, afinal a viagem esgotou minhas energias. Entao resolvi me aventurar andando pelas redondezas um pouco e acabei achando essa lan house. O reconhecimento de local eh sempre importante. Ja andei arranhando alguma coisa com o cara da loja de conveniencia que fica do lado do alojamento. Fiquei observando as pessoas, as casas, tudo. Achei engracado que, pelo menos aqui perto, todo terreno baldio tem uma hortinha! Voce vai andando pela rua e de repente se depara com uns pes de alface, beterraba, e sei la mais o que. Achei a ideia genial. Imagina se em todo lote vago do Brasil tivesse uma hortinha?
Fiquei observando as coreanas tambem. Achei bom fazer uma analise da beleza coreana logo de cara, para que meu julgamento nao esteja deturpado depois de alguns meses de carencia... hehe. Gracas a Deus vi umas garotas lindas! Vi as feinhas tambem, mas o que seria das bonitas sem as feias?

Bom, vou ficando por aqui. Desta vez escrevi bastante, porque afinal tava todo mundo querendo saber noticias. Mas das proximas vou colocar mais foto e escrever menos hein.

Abraco a todos! Mae, ja to com saudade da sua comida!