Como prometido na última aula, fizemos um vídeo só sobre as consoantes mais problemáticas para falantes de português. Mas primeiro, quero explicar por que essas consoantes são difíceis.
Na maioria das línguas europeias (o que inclui o português), existem duas versões das mesmas consoantes: um som é vozeado e o outro é desvozeado. Isso mesmo. Numa consoante você vibra as cordas vocais, usa a voz, e na outra não. Exemplos (português):
ba (vozeado) / pa (desvozeado)
da (vozeado) / ta (desvozeado)
ga (vozeado) / ka (desvozeado)
va (vozeado) / fa (desvozeado)
za (vozeado) / sa (desvozeado)
ja (vozeado) / xa (desvozeado)
Esse é o padrão que está na sua cabeça, ainda que inconscientemente. Note que a maneira de fazer b e p, por exemplo, é igual, mudando apenas a voz, a vibração. O resto - a posição dos lábios e da língua - é exatamente a mesma coisa.
Pois bem, no coreano as coisas são diferentes. Em vez de duas versões - uma vozeada e outra desvozeada - o coreano tem três! Mas o contraste não é feito pela vibração das cordas vocais, e pela força usada na língua e o ar que se solta. Complicado? Um pouco. O segredo é ter a convicção de que os sons são diferentes (ainda que seu ouvido insista em dizer que é "tudo a mesma coisa") e fazer um esforço em pronunciar corretamente.
As consoantes do coreano que fazem esse contraste são:
 [g] (fraca) /  [kk] (forte e seca) /  [k] (aspirada)
 [d] (fraca) / ㄸ [tt] (forte e seca) /  [t] (aspirada)
 [b] (fraca) /  [pp] (forte e seca) /  [p] (aspirada)
 [j] (fraca) /  [jj] (forte e seca) /  [ch] (aspirada)
 [s] (fraca) /  [ss] (forte e seca)
As consoantes fracas são mais fracas que as nossas do português, por isso use a língua "com moderação". Com exceção do ㅅ, as fracas ficam vozeadas quando estão entre duas vogais, mas não no início.
As consoantes fortes e "secas" são assim chamadas (por mim) porque você realmente precisa pressionar mais a língua ou os lábios para pronuncia-las. Um exemplo de língua europeia que tem esses sons é o italiano: mas lá eles chamam de "consoantes duplas". Outro efeito dessas consoantes fortes é que elas geralmente mudam a entonação da vogal seguinte - ela fica ascendente e curta.
Já as consoantes aspiradas são como as do inglês e alemão: tem que soltar muito ar para pronuncia-las. Um bom exercício é colocar um pedacinho de papel na palma da mão e treinar pronunciar as aspiradas. Se o papel voar, a pronúncia está correta. Se ele nem se mexer, você precisa soltar mais ar.
Da lista acima, a única que não tem a versão aspirada é o  (s). Mas também é difícil imaginar um som de "s" aspirado...