Nas eleições presidenciais da semana passada, a nova presidente foi eleita com 51,5% dos votos, enquanto Moon Jae-in ficou com 48%. Não foi uma vitória folgada. Mas se dermos uma olhada no mapa da Coreia de acordo com o resultado, veremos que praticamente só duas grandes regiões optaram pelo candidato da oposição: Seul e Jeolla-do, onde fica a cidade de Gwangju. Seul, naturalmente, é menos conservadora que as outras regiões, mas ainda assim o votou em Moon Jae-in só com 51,4% dos votos, uma margem pequena. Já em Gwangju, a vitória dele sobre Park Geun-hye foi gigante: 92% contra 7.7%.

Mapa do resultado das eleições presidenciais da Coreia do Sul em 2012. Vermelho representa as regiões que escolheram Park Geun-hye, e amarelo as regiões que escolheram Moon Jae-in Mapa do resultado das eleições presidenciais da Coreia do Sul em 2012. Vermelho representa as regiões que escolheram Park Geun-hye, e amarelo as regiões que escolheram Moon Jae-in



O que explica essa rejeição tão grande pela candidata que acabou ganhando? A resposta é simples: o massacre de Gwangju, de 18 de maio de 1980. Como já contei antes, o pai de Park Geun-hye, o general Park Chung-hee, foi presidente através de um golpe militar e governou de 1961 até 1979, quando foi assassinado. Nesse momento, o movimento estudantil ganhou força na luta pela democratização do país. E Gwangju foi a cidade com a maior mobilização popular: não apenas estudantes, mas a cidade toda saiu às ruas para protestar contra a ditadura que se manteve com o sucessor de Park Chung-hee. O que o governo fez? O que as ditaduras fazem: tentam abafar e amedrontar os que protestam. Mandaram o exército para as ruas de Gwangju, e mataram sem mirar a quem: jovens, crianças, todos. No final, foram 165 mortes e mais 65 desaparecidos. E mais umas centenas de feridos.

Manifestantes em Gwangju, 1980 
Manifestantes em Gwangju, 1980

Obviamente, não quero com este post dizer que a presidente-eleita foi a responsável pelo massacre. Claro que não. Porém, o que o povo de Gwangju não suporta é a mínima ideia de que ela tenha feito parte desse sistema ditatorial que tem as mãos tão sujas de sangue na história sul-coreana. É a imagem dela que, na memória de Gwangju, está muito associada aos velhos militares antidemocratas.

Por conta disso, Gwangju é também a cidade com o maior sentimento antiamericano no país inteiro, pois quem financiava a ditadura sul-coreana eram os EUA (como foi na América Latina, na Indonésia, no Egito, e a lista segue). Gwangju e Jeolla-do portanto, destoam do restante do interior coreano, mesmo tendo um ar provinciano. A luta pela democracia é o maior orgulho do povo de lá, e as feridas deixadas pelo massacre ainda não se cicatrizaram completamente.

Abaixo, algumas cenas do filme "Feriado Esplêndido" (화려한 휴가, que foi traduzido como "May 18" em inglês). O filme foi feito a partir de relatos dos sobreviventes do massacre. Um coisa impressionante.