Olá, queridos leitores e proseadores!

Este post é dedicado aos jovens que querem vir estudar na Coreia. Apesar do blogue ter praticamente morrido desde que fui para o Timor-Leste, nunca deixei de receber emails, e, neste ano, o número aumentou significativamente. Mais e mais brasileiros têm buscado a Coreia (e a Ásia em geral) para estudar e viajar, talvez pela crise que tem assolado a Europa e os EUA, destino tradicional da galera. Mas o grande motivo da chuva de estudantes brasileiros por aqui neste semestre é o programa Ciência sem Fronteiras, do governo brasileiro. Não tenho os números exatos, mas mês passado desembarcaram aqui alguns containers cheios de brazucas, como nunca aconteceu antes.


Há quatro anos, quando pus meus pés em solo coreano, encontrar outro brasileiro que estudasse aqui era raridade. Dava para contar nos dedos, e levar praticamente todos pro Natal na casa da Selma. Muita coisa mudou em pouco tempo, e agora virou casa da sogra: o pessoal vem e vai, e a gente nem fica conhecendo.

Então, vamos ao ponto. Já faz tempo que não respondo emails. Antes eu respondia comentários e emails, porque eu tinha tempo e ânimo. Eu me sentia um embaixador e desbravador do universo coreano no cyber-espaço lusófono, já que nunca houve muita coisa sobre a Coreia escrita em língua portuguesa. Hoje a fase mágica da vida de estudante bolsista já passou para mim, e este blogue passou a ser nada mais que um depósito de comentários avulsos e bem espaçados. Com essa meninada nova chegando, passo oficialmente o bastão bloguístico e, mesmo sem conhecer os recém-chegados que blogam sobre suas próprias vidas, recomendo aos curiosos que leiam o que eles escrevem, que tá muito mais fresquinho do que essa velharia arquivada aqui no De Prosa.

Aqui vão alguns links de blogues desse pessoal que veio recentemente:

Thayná na Coreia
R.E.N.A.T.A.
Stormrider in Korea
Recife to Seoul

Esses foram alguns dos links que vi publicados na página do Ciência sem Fronteiras Coreia no Facebook. Portanto, peço que não me perguntem mais sobre bolsas, como foi que vim pra cá, qual a taxa de câmbio (acreditem, tem gente que pergunta isso), ou se dá pra viver aqui sem bolsa e sem emprego (sim, já perguntaram isso também). O De Prosa tem muita informação sobre a bolsa do NIIED, basta usar o mecanismo de busca e ler os editais passados para ter uma ideia. Eu costumo dizer que o primeiro passo do processo de seleção é encontrar as informações básicas por conta própria.

Quanto aos meros curiosos em aprender sobre a Coreia pelos olhos de outros estudantes, deleitem-se com os links que indiquei acima. Eu volto quando puder/quiser, com uma prosinha mais modesta.

Abraço e/ou 45 graus de inclinação com annyeonghaseyo!