Ontem fui a um casamento coreano, o primeiro para o qual fui convidado. Lembrei que nunca tinha falado sobre isso aqui no blogue, então decidi registrar alguns momentos para comentar brevemente.

Quem me convidou foi uma colega da universidade, muito gente fina e um amor de pessoa. Por isso não fui por obrigação ou por mera curiosidade em saber como é. Mas vou contar como foi, sem a pretensão de querer dizer que todos os casamentos na Coreia são iguais.

Primeiro, é bom lembrar que há na Coreia os casamentos tradicionais e os modernos (ou ocidentalizados). Os tradicionais seguem rituais antigos durante a cerimônia, têm caráter mais religioso, e os participantes todos (noivos, pais, etc) usam roupas coreanas tradicionais (como o hanbok e outras variantes). Quem acompanha o blogue desde os idos de 2008 talvez se lembre de um vídeo que fiz, "How to make a Korean traditional wedding", que gravei quando nossa turma de Cheongju simulou um casamento tradicional num instituto confucionista.

Já os casamentos modernos são uma adaptação dos casamentos ocidentais em geral: noivo de terno, noiva de vestido branco e as outras pessoas com roupas finas. O casamento da minha colega foi, como a maioria esmagadora dos casamentos de hoje em dia, um casamento moderno, já que o tradicional tem sido visto como "cafona" e caído em desuso. Mas ainda que superficialmente a cerimônia se pareça muito com as que vemos nas igrejas no Brasil, as daqui têm suas particularidades, como por exemplo:

  • Na Coreia praticamente nunca se casa numa igreja, ainda que os noivos sejam cristãos.
  • A cerimônia geralmente não é dirigida por um padre, pastor ou monge, pois não tem um caráter religioso. Não é dirigida nem mesmo por um juiz ou autoridade do Estado. Nesse casamento da minha colega, por exemplo, quem "abençoou" o matrimônio foi ninguém menos que o patrão do noivo!
  • O local é quase sempre um Wedding Hall (웨딩홀), onde acontecem a cerimônia e a comilança - durante ou logo após a cerimônia.
  • Os convidados nunca dão presentes (como móveis ou eletrodomésticos), mas espera-se que dêem uma quantia razoável de dinheiro, principalmente se o convidado tem uma posição hierárquica no trabalho superior a do noivo ou noiva.
  • Eles não têm a superstição do noivo não poder ver o vestido da noiva antes da hora. Ele inclusive a ajuda na escolha.
  • Não há padrinhos ou madrinhas.
  • A maioria dos convidados é desconhecida do próprio casal, pois os pais dos noivos são quem decidem a lista final.
  • A cerimônia em si geralmente não dura mais do que 20 minutos. Provavelmente porque o aluguel do local é caro e logo em seguida outros casamentos já estão marcados.
  • A maioria dos convidados não presta muita atenção no que acontece, e ainda conversam o tempo todo.
Essa lista foi feita sem muito critério, baseada apenas no que observei ontem, que confirmou muito do que já havia lido e ouvido falar sobre os casamentos por aqui. Eu, particularmente, vejo os "shows" de casamentos da atualidade (tanto aqui quanto aí) como um exibicionismo desnecessário de uma sociedade que sonha em viver contos de fadas e tem aversão a coisas simples e íntimas. Isso, claro, não impede que eu participe das celebrações e deseje toda a felicidade aos meus amigos que se casam.

Aqui vão algumas cenas que registrei, com mais algumas curiosidades:

A noiva ficou numa salinha para tirar fotos com cada convidado antes do casamento começar
As coroas de flores na Coreia são usadas para comemorar o início de algo (casamentos, inauguração de loja, etc) e não o fim (como no Brasil, em que as usamos em velórios)
Essa foi minha contribuição, junto com a Ji Young e a Jun Hui. Repare que escrevemos o cartão na vertical, como manda o costume. Inclusive, a lista de convidados foi toda assinada na vertical, com três caracteres. Isso não importa muito, mas é bom preparar seu nome em hangeul com apenas três sílabas, como o meu: 엥히키
Corredor matrimonial
Comida servida durante a cerimônia
Apesar de ser um casamento moderno, as mães do noivo e da noiva optaram por usar o hanbok


A objetividade do casamento aqui é um ponto positivo para mim. Não tem aquela lenga-lenga que cansa os convidados que ficam sentados escutando o padre falar por duas horas (repare no vídeo a rapidez em que o noivo entrou! Quase uma corrida de 50m). Também acho que dar dinheiro em vez de presente é algo que facilita muito a vida das pessoas. O ponto negativo é a impessoalidade, já que os próprios noivos não conhecem a maioria dos convidados. Mas a verdade é que minha opinião não importa em nada se minha colega encontrou o amor de sua vida e decidiu se casar com ele. O que vem depois vale muito mais do que o evento de um só dia. E que sejam muito felizes! :)