Este semestre estou fazendo uma matéria sobre as relações entre a Coreia do Norte e a do Sul. E também estou coletando material para revisar a literatura sobre o assunto para possivelmente usar na minha dissertação. O problema é achar dados oficiais confiáveis sobre a Coreia do Norte. Então, pela primeira vez, pensei em procurar algum site oficial do governo norte-coreano, já que ultimamente eles estão mais saidinhos e criando até conta no Twitter. Eu não esperava encontrar nenhum dado totalmente confiável vindo de um órgão do governo norte-coreano. Mas esperava, pelo menos, ter acesso a eles.

Rá! Qual não foi minha surpresa ao encontrar o endereço do tal site (www.korea-dpr.com) só pra descobrir que o bendito estava bloqueado para IPs sul-coreanos. Uma baita mensagem aparece dizendo que o site é ilegal. Assim como qualquer outro tipo de veiculação do governo norte-coreano: TV, rádio, Twitter, etc.

Além de ficar revoltado por descobrir cada vez mais que a democracia sul-coreana sofre de esquizofrenia guerra-friística, o bloqueio cibernético me matou de curiosidade de ver o conteúdo do site. Então pedi para meu amigo Ivan, que mora no Brasil, para acessar o site, salvar as páginas e me enviar.

Uma coisa me surpreendeu positivamente no site. Eles divulgam uns pacotes de viagem para turistas assistirem a dois grandes espetáculos do país, dentre eles o famoso Arirang Mass Games. Lógico que os pacotes devem ser caríssimos, porque cada turista ganha de presente um oficial do governo para vigiá-lo durante toda a viagem. De qualquer forma acho a divulgação positiva. O que não me surpreendeu, porém, foi a propaganda contra o governo do Sul, que como sempre é considerado por eles "uma marionete dos americanos imperialistas."

No entanto, meu amigo leu uma página que o assustou e me perguntou se era verdade. O site norte-coreano diz que na Coreia do Sul existe uma Lei de Segurança Nacional (National Security Law) que proíbe os cidadãos sul-coreanos de lerem qualquer coisa sobre a Coreia do Norte, sob pena de prisão ou até de morte. E quem tentar atravessar a fronteira para o Norte será morto pelos soldados americanos.

Minha primeira reação foi dizer que isso era uma mentira sem tamanho, claro. Que aqui na Coreia do Sul as pessoas são livres para dizerem o que pensam e para pesquisarem sobre o regime norte-coreano. Mas depois fiquei ligando alguns fatos: Lee Myung-bak proibiu protestos em multidão, sob pena de prisão; os sites norte-coreanos são bloqueados... e eu que não sabia nada sobre a tal Lei de Segurança Nacional, resolvi dar uma googladinha rápida.

Surpresa! A tal lei realmente existe, não é tão rígida como o site norte-coreano diz, mas sem dúvida alguma restringe a liberdade de expressão de qualquer cidadão sul-coreano. Ela foi criada em 1948, baseada numa lei anterior que os japoneses tinham estabelecido, proibindo qualquer tipo de informação sobre o comunismo. Ao longo dos anos ela foi modificada, e foi amplamente usada para reprimir e prender qualquer manifestação contra o governo ou a favor do comunismo até 1994. Depois ela deu uma abrandada, com a democratização do país, mas vejam algumas coisas que ela ainda restringe:

Os cidadãos não podem:
- se juntar a uma organização que tente derrubar o governo; (caras-pintadas do Collor, hellooo!)
- criar, distribuir ou possuir materiais que promovam ideias contra o governo;
- se negar a denunciar os que violam a lei.

Desde 1978, mais de 1.200 livros e outros materiais foram proibidos no país por carregarem "ideias do inimigo", e apesar de os tribunais terem abrandado desde os anos 90, multas ainda são aplicadas para editoras que publicam materiais que alimentem grupos subversivos.

E ainda segundo o mesmo artigo sobre a lei na Wikipédia, em 2002, um estudante que servia o exército foi condenado a 2 anos de prisão por ter dito aos colegas: "Eu acho que a separação das Coreias não é culpa da Coreia do Norte, e sim dos americanos". O estudante também possuía em casa livros que se enquadravam nos descritos anteriormente.

Eu que achava que vivia numa democracia de primeiro mundo...!

Mas é exatamente isso que o governo quer que pensemos. Com tanto autoritarismo na Coreia do Norte, qualquer leizinha aqui ou ali não vai estragar a imagem da Coreia do Sul. Mas a verdade é que são países-irmãos ainda tentando vencer um briguinha ideológica na queda de braço, esperando em vão o dia em que o outro vai cair de repente para poder controlar a península toda. Afinal é isso que as constituições dos dois países dizem: "a península é nossa!" e "o outro governo não é legítimo, é invasor".

Na minha opinião, a Coreia do Sul -- esta maravilhosa recém-desenvolvida democracia asiática anfitriã da reunião do G20 em novembro -- deveria dar o exemplo de liberdade. Já passou da hora de anular leis da época da Guerra Fria. Já passou da hora de reconhecer a Coreia do Norte como um país independente (ainda que autoritário). E já passou da hora de mandar esses 35 mil estadunidenses pra casa e ter forças armadas capazes de proteger seu próprio país.

Já passou da hora. A mais avançada das duas Coreias ainda está atrasada.