Eu tô vivo! Não, o abandono do blogue não foi intencional, mas também não vou ficar me explicando muito. Vamos ao que interessa, que é mostrar mais um pedacinho da Coreia pra vocês.

Como os leitores já sabem, minha família veio me visitar em agosto. E eu não podia estar mais feliz, claro! Vieram meus pais, desse Brasilzão, do interior de Minas, falando um inglês da linguagem de sinais nos aeroportos. Veio também minha irmã, que mora na Inglaterra, fazendo surpresa pros meus pais, e que passou pelo calor de 50 graus de Doha antes de chegar aqui. E no fim deu tudo certo.

Viajamos de norte a sul na metade desta península que fica abaixo do paralelo 38. Andamos em Seul "até as escadas rolantes das estações do metrô afundarem", como disse meu pai. E sempre na companhia de gente muito boa, como os que citei na postagem anterior, e outros personagens que fizeram essa viagem inesquecível para todos. Minha mãe já tá até pensando em voltar, de tão bem que foi tratada pelos coreanos e brasileiros residentes aqui! :)

Eu queria poder falar de tudo o que vivemos nesses dias tão curtos, mas tem coisa que só tem graça pra gente mesmo. As piadas e risaiadas das bobagens nossas só a gente que ri mesmo.

Pra vocês eu concedo algumas cenas, pouco a pouco. Eu gravei um DVD para os papitos levarem pra casa, juntando as cenas que gravamos aqui. As que eu achar que podem ser interessantes pra turma, vou postar aqui. Como nossa viagem à ilha Geoje-do, a segunda maior da Coreia. Lá tem uma ilhota-satélite que se chama Oedo, onde foi cultivado um jardim muito bonito desde os anos 60 e hoje é um belo destino turístico. No caminho, o barco deu uma paradinha em Haegeumgang, outra ilhota famosa pelo seu paredão de pedra que a rasga ao meio e permite que os barcos entrem até não caberem mais.

Aí vão algumas cenas da família Teixeira se aventurando em Haegeumgang e Oedo.


Dica: É possível chegar a Geoje-do de carro ou ônibus, pois tem uma ponte que liga a ilha à península, mas a estrada é muito tortuosa (dependendo de onde você vem), o que faz com que a viagem demore muito. O caminho que tomamos foi bem conveniente. Fomos até Busan (onde nos hospedamos na casa da Eun Bee) e de lá pegamos um barco até Geoje-do. Custou apenas ₩20,000 e demorou apenas 50 minutos. O porto fica muito perto da estação de trem de Busan, portanto um táxi de um até o outro custa mixaria.

Depois vou selecionar algum outro vídeo bacaninha e dar mais dicas aos turistas de plantão.

Abraços! 안녕히 계세요!