Na Coreia, as noitadas começam sempre com um jantar e podem terminar em: soju, noraebang (karaokê), brincadeiras ou todas as alternativas anteriores. Quando se trata de uma viagem da universidade, da empresa ou algum evento num hotel em outra cidade, é praticamente certo que a noite após o jantar seja beeeem longa.

Aqui já participei de pelo menos umas cinco viagens nas quais contrataram um "animador" bem no estilo apresentador de TV coreano, cuja missão é destravar o pessoal e fazer o maior número de pessoas presentes pagarem micos. O nível das brincadeiras variam entre ultra-infantis e X-rated. Portanto, tudo pode acontecer. TUDO. Principalmente se tais brincadeiras forem antecedidas por muito soju. Aí, meus amigos, sai de baixo. Já presenciei, por exemplo, um professor que se embebedou e saiu beijando os outros professores (homens!) e alguns alunos (homens!) na boca. Ele não é gay (porque não existe coreano gay, só moderno), tem até mulher e filhos, mas depois de uns sojus decidiu que beijar outros homens na boca fazia parte da brincadeira. (Caso estejam se perguntando: não, ele não me molestou. Consegui escapar!)

No entanto, quando o pessoal maneira na bebida e as brincadeiras não passam dos limites, dá pra se divertir e rir bastante. Semana passada participei de uma conferência em Busan com vários estudantes coreanos e estrangeiros, e após um longo e cansativo dia, terminamos com um jantar e... brincadeiras, claro!

Apesar de ser tudo muito parecido com o que eu já tinha visto antes, dessa vez teve uma brincadeira que eu não conhecia e que foi simplesmente hilária. Os escolhidos para participar tinham que gritar "ma" para a pessoa ao lado, e quem errasse ou deixasse a voz enfraquecer, saía da disputa. O vídeo abaixo mostra como foi a gritaria, com as únicas duas estrangeiras sendo minhas queridas amigas brasileiras Agatha (a carioca) e Briza (a mineira que chegou nas "quartas de final" da gritaria).


Além disso rola muita dança, porque coreano só dança em festa se estiver sob pressão. Para minha surpresa, teve um casal coreano que mandou muito bem. Bom, pelo menos eles mexeram o corpo de verdade! Rebolaram mais que muito brasileiro no carnaval! Notem que no vídeo eu estou atrás batendo palminha, aguardando minha vez.


Mas se vocês acharam que eu postaria o vídeo da minha dança, esqueçam. E acreditem: vocês não gostariam de me ver dançando. E eu preciso manter um mínimo de respeito neste blogue, senão ninguém me leva a sério mais.