Acho que ultimamente tenho falado muito mal da Coreia. Então agora eu vou falar mais um pouco. Por motivos que não vêm ao caso, eu tô temporariamente mal-humorado. Nessas horas, nada melhor que descarregar as energias negativas no meu ente personificado e envuduzado que se chama Coreia.

A Coreia é uma generalização, um estereótipo, um conceito pré-estabelecido (preconceito!), uma pintura imutável, um ajoshi de cara feia, uma ajumma de permanente, uma estudante colegial com cabelinho playmobil.

Na hora de falar bem, a gente generaliza, e ninguém reclama. Então na hora de espancar, vamos bater na Coreia que fica tudo bem. Aqui vão duas coisas na lista de hoje:

1. Meus vizinhos são uns idiotas.

Durante toda a minha vida mineira, eu tive vizinhos bons e ruins. Eu conversava sempre com os bons e pelo menos cumprimentava os ruins. Na minha última residência pré-vinda-pra-Coreia eu tive a melhor vizinha do mundo inteiro bem na porta da frente. A Tânia, como se não bastasse ter quatro filhos, era quase uma mãe pra mim. Não podia fazer um pão-de-queijozinho que me levava meia dúzia pra comer!

Quando me mudei pra Suwon, a primeira coisa que tentei fazer foi estabelecer um bom relacionamento com meus vizinhos. Puxei conversa, me apresentei, chamei pra sair... Acreditem: só levei toco! Os homens não olham na minha cara, e as mulheres acham que sou um tarado por querer saber o nome delas. O resultado é que todo mundo no meu prédio vive na sua bolhinha e ninguém é amigo de ninguém. O motivo é que aqui tem uma cultura imbecil em que as pessoas geralmente só confiam em quem é apresentado por alguém que ela já conhece.

2. Os homens coreanos não lavam as mãos depois de irem ao banheiro.

Sim, todos eles. Meu ente personificado não aceita exceções. Você já deve ter lido algo do tipo em posts mais ácidos no blogue do Renato. Mas aqui vai a ênfase: eles não lavam mesmo. Hoje, num banheiro do metrô, eu fiquei observando. Um entra-e-sai de nego no banheiro, e nenhum lavou as mãos. Enquanto eu lavava as minhas, de vez em quando chegava um pertinho da pia... mas era só pra retocar seu cabelinho com permanente.

Implicância minha? Isso é questão de saúde pública! Aquele sanduíche que você comeu 5 minutos depois de apertar a mão empiruzada do seu amigo pode estar todinho contaminado. E não é só de xixi de soju, mas também coliformes kimchicais! Juro que uma vez vi um ajoshi saindo da cabine depois de fazer um número dois animal (pelo cheiro), e não passou nem perto do lavatório. Pois é: esse cara pode ser o seu colega de trabalho! Por isso, na hora de cumprimentar, prefira o estilo oriental. Dá só uma encurvadinha de longe.

Outra hora eu volto pra falar de coisa boa. Por enquanto, deixa eu curtir minha maracujina coreana, porque não há nada que expatriado faça melhor do que falar mal do país - seja do seu próprio ou de qualquer outro.