O que você faz com todo o lixo que você produz? (que, pode ter certeza, não é pouco!) Confesso que sou um ambientalista de meia tigela. E hipócrita. Critico as políticas públicas de preservação do meio ambiente, mas continuo gastando mais água e energia do que preciso. Quando morava em Belo Horizonte, já fiz coleta seletiva do meu próprio lixo durante alguns anos, mas depois desisti pela preguiça de ter que levar meu lixo pessoalmente nas associações de catadores, já que meu condomínio não separava nada.

Aqui na Coreia, lixo é um assunto controverso. Em geral, considero as políticas públicas nacionais daqui melhores que as do Brasil, e os resultados são vistos no nível municipal. O atual presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, apesar de não ser muito amado ultimamente, tem usado o tema "meio ambiente" fortemente no seu governo. Também pudera: ele era prefeito de Seul quando levou a cabo o ousado (e polêmico) projeto de despoluição total do rio Cheonggye (já postei um vídeo sobre ele aqui no blogue), o que virou um trampolim para que ele se tornasse presidente.

O que é que tem de diferente aqui? Vamos lá. Primeiro, cada um na Coreia tem que ser responsável pelo seu lixo. Uma lei estabelece que você não pode usar qualquer saco de lixo. Tem que ser o saco de lixo "oficial" da prefeitura, que custa muito mais caro que qualquer outro saco plástico. O material parece ser diferente do plástico comum, mas não sei dizer exatamente se é mais ecológico. A ideia é que, com esses sacos padronizados, fica fácil identificar a natureza do lixo: se é lixo não-reciclável ou orgânico. Tudo mais que pode ser reciclado, não deve colocado no saco, mas sim nos cestos que ficam na porta dos prédios.

O saco da esquerda é o de não-recicláveis, o da direita é o orgânico.

Aqui no meu bairro, todo prédio tem quatro cestos amarelos, para papel, vidro, plástico e metal.

Vista do meu quarto para os cestos de lixo do meu prédio num dia de neve.


Tenho outra confissão: quando cheguei na Coreia, eu não sabia de nada disso. E nem precisei preocupar muito, porque como morava no dormitório, os estudantes não eram responsáveis por separar o lixo. Inclusive o dinheiro das sacolas mais caras vão justamente para investir mais em coleta, reciclagem e separação do lixo que não foi separado. Teoricamente, se você não usa as sacolinhas corretas e te descobrem, você é multado. Quando me mudei pro meu apartamento, o dono do prédio gastou uns 40 minutos me explicando o que fazer com o lixo, mas eu achava que era só uma "dica" dele. Pensei "nossa, que cara ecológico!". Ele foi comigo no supermercado pra comprar as tais sacolinhas, mas como eu tinha sacola que trazia do Home Plus sempre (pagas também), nem usava as sacolas corretas. Até que um dia o senhor Juliano Junho me explicou o processo todo direitinho e tudo fez sentido. Agora eu tô bonitinho no esquema!

Essa é a minha separação aqui em casa, antes de levar pra fora.

Aqui vai uma dica para quem quer fazer coleta seletiva: não caia na ilusão de achar que TUDO pode ser separado. Algumas coisas são coladas, como embalagens de alguns produtos que têm papel e plástico. Na hora de separar o cara faz uni-duni-tê, e no fim não adianta nada. Ajuda muito também ter um lixo LIMPO. Ahn? Isso mesmo. Não custa muito lavar os potes de iogurte e passar uma água nas garrafas e latinhas, por exemplo. Isso facilita a vida de quem vai trabalhar com esse lixo lá na frente.

Não sei como andam os programas de coleta seletiva nas cidades brasileiras. Só sei que os grandes centros estão esgotando seus aterros e estão sendo obrigados a fazer alguma coisa. Uma coisa bacana também é o que fazem aqui com o lixo orgânico: ele é reaproveitado para virar fertilizante natural.

O MAU EXEMPLO

Depois de encher muito a bola dos governantes coreanos, vamos descer o pau nos indivíduos de olhos puxados daqui. Os coreanos parecem até fazer direitinho a coleta em casa, mas na rua são uns porcalhões! Jogam muito lixo no chão. As prefeituras, na minha opinião, têm sua parcela de culpa, porque é dificílimo achar lixeira pública. Tem hora que dá muita raiva, porque tenho que andar muito tempo segurando uma lata na mão até achar um lixo. Já reclamei sobre isso com os coreanos, e ouvi três tipos de resposta:

1. "Sério? Nossa, não sei por quê... tem lixeira em todo canto!" (negação)
2. "Ah, é que o governo mandou retirar todas as lixeiras da rua porque tinha uns malucos colocando bombas dentro delas." (poxa, terrorista que é terrorista não precisa de lixeira pra aterrorizar né!)
3. "O governo quer ensinar para as pessoas que elas devem jogar lixo só no seu próprio lixo em casa." (ah tá, aí você tem que carregar lixo o dia todo até chegar em casa... entendi...)

Fala sério, né. Acho simplesmente um absurdo. Pior que isso só mesmo os brasileiros (da maior parte do país) que têm lixeiras públicas em toda esquina e AINDA ASSIM jogam lixo no chão, às vezes até DO LADO da lixeira.

Além disso, tem muita propaganda em panfletos que são simplesmente jogados nas ruas, na esperança de que as pessoas os leiam. A maioria deles são propagandas de "serviço de motorista". É que como os coreanos bebem até virar o zóio, se o cara estiver de carro, vai precisar de alguém para dirigi-lo para ele chegar em casa inteiro. Daí vale ligar pro primeiro número que vir pela frente!

Números como esses (propaganda dos carinhas aqui do meu bairro)

A situação chega a esse ponto de madrugada.

No dia seguinte, pela manhã, geralmente tá tudo limpo de novo, graças aos garis (quase sempre senhores e senhoras mais velhinhos) que catam tudo com seus chopsticks gigantes. Mas essa poluição visual e desperdício de papel deveria ser punida, afinal toda noite é a mesma coisa!

Aliás, a concorrência aqui é tão grande em tudo, que as propagandas em panfletos chovem na sua cabeça. Os prédios do meu bairro, como não têm porteiros e são abertos para quem quiser entrar, são inundados de propaganda. Todo santo dia, quando eu chego em casa, tem pelo menos umas duas propagandas pregadas na minha porta.

Chega de propaganda! Aaaahhhh!!!

E como essa coreanada de santo só tem a cara, propagandas como essa aí de baixo devem render muitos clientes. Ninguém jamais fala sobre isso na Coreia. Mas se essa turma continua anunciando tanto, é porque tá rendendo uma graninha né, meu amigo...