Eu fico me perguntando o que se passa na cabeça dos chineses, os que são criados na China. Na Coreia eles estão em todo lugar, e com certeza representam a maioria esmagadora dos imigrantes que vivem aqui. No meu departamento não é diferente. Acredito que sejam mais da metade de todos os estrangeiros que estudam aqui. Muitos até se "camuflam" por falarem coreano muito bem e se vestirem como os coreanos.

Mas o que sempre me deixou curioso foi saber o que os chineses pensam sobre o sistema do governo deles, sobre direitos humanos, liberdade de expressão, etc. Com os chineses que eu conhecia até então, só percebia um nacionalismo parecido com o dos coreanos, só que mais agressivo, a ponto de não aceitarem qualquer tipo de brincadeira com seu povo, sua língua ou seu governo.

Aqui, em várias das discussões na sala de aula sobre livre comércio, mão-de-obra barata, democracia, e tudo o mais que vocês imaginarem que se possa discutir em política e economia, falar sobre a China é inevitável. Só que a galera de chineses da minha turma não abre a boca pra compartilhar a visão deles. O professor provoca pra ver se sai alguma coisa, mas é sempre uma opiniãozinha fraquinha, que quase sempre parece uma desculpa para qualquer coisa de errado que o governo chinês faça.


Hoje, na aula de coreano, que nada tinha a ver com política, surgiu um papo sobre liberdade de expressão. Isso porque a professora mostrou um jornal coreano falando sobre um recente episódio dos Simpsons com o presidente francês Sarkozy e sua esposa, fazendo gozação com os estereótipos, claro.

O jornal disse que o episódio gerou muitas reações entre os franceses, mas isso não tinha nada de novidade, afinal o episódio dos Simpsons no Brasil levou a prefeitura do Rio na época até a ameaçar entrar com um processo contra seus produtores. Tudo normal.

Eu, então, perguntei à professora como seria visto algo do tipo com o presidente coreano, já que o cara é tão impopular por aqui. Ela arregalou os olhos, pensou na impossibilidade da cena, mas acabou dizendo que é até possível, só não seria muito aceito entre os mais velhos, mesmo o cara não sendo popular. É falta de respeito. Perguntei então aos três chineses que estavam na sala:

Eu: "E na China, o que acontece com quem faz uma piada contra o presidente?"
Uma chinesa respondeu: "Eles matam a pessoa que fez a piada."
Eu: "E vocês acham que isso pode mudar? Existe uma vontade do povo chinês por mais liberdade?"
Outro chinês: "Você tem que entender que a China tem uma história de sucesso. A Índia, por exemplo, é uma democracia mas o povo é muito pobre."
Eu: "Mas minha pergunta foi sobre a liberdade de expressão. Se o governo é tão bom assim, não devia ter medo das críticas. Você, particularmente, não gostaria de poder exigir seus direitos sem medo de ser morto pelo governo?"
Chinês: "Veja bem. A China tem crescido muito nas últimas décadas, cada vez mais as pessoas têm mais acesso a educação, e...."

Ele continuou nesse papo mais uns 3 minutos, falando do sucesso da China. Olhei pra professora, que assistia à conversa, desisti de perguntar qualquer outra coisa e fiquei quieto no meu canto.

Em momento nenhum questionei o show do crescimento da economia chinesa. Mas o que me impressiona, é que já tentei ter essa conversa com pelo menos uns 5 chineses, e as respostas deles são sempre de negação ("não, imagina! na China todo mundo é livre!"), de desculpa ("mas o governo é tão bom pra economia...") ou simplesmente dizem que não sabem o que dizer.

Será que a lavagem cerebral comunista é tão braba assim na escolinha das crianças chinesas? Mais uma vez, lembre-se que estou falando dos chineses nascidos e criados na China. Não me venha trazer um chinesinho que cresceu em Nova York e pensa diferente. A verdade é que ou os chineses têm muito medo de dizer o que pensam, ou realmente eles não pensam muito sobre muitas questões.

No final da aula, a professora me perguntou sobre as piadas de políticos no Brasil, e eu, só pra escandalizar um pouquinho, entrei no Youtube e mostrei umas charges do Chico (Jornal da Globo) e uma cena qualquer do Casseta e Planeta fazendo gozação com a imagem do Lula. E falei como é interessante que, no país da piada pronta, piadinhas do tipo não fazem nem cócegas na popularidade do presidente.