Como disse na postagem anterior, o hyeong da nossa turma, o Marcelo (Won-Seok, o da foto ao lado), arrumou ingressos de graça para vermos um jogo de beisebol em Incheon. E aqui na Coreia minha vida tá assim: falou que é de graça, tô dentro! Só não sou tão esfomeado quanto o Gustavo, que até lula viva o cara comeu, só porque não precisou pagar.

Então parei para pensar no quão pouco eu sei sobre esse esporte. Não me lembro de pesquisar sobre as regras ou algum jogo para assistir na minha vida toda. Nem quando morei nos EUA. Porque, pelo menos em Austin, a galera só ia ver jogo de futebol americano, então nunca apareceu a oportunidade de assistir a um jogo de beisebol.

Já aqui na Coreia o beisebol é um dos esportes mais populares, e em toda escola que vi até agora havia um campo de beisebol com a meninada treinando.

A primeira coisa que estranhei foram os nomes dos times. "Quem vai jogar?", perguntei. "SK contra Lotte!". Para quem não sabe, SK é a SK Telecom, uma empresa telefônica coreana o SK Group, que inclui vários ramos sob o nome da SK, e Lotte é uma empresa "multiuso" (como quase toda grande empresa coreana, que fabrica de tudo: de palito de dente a carro). Bom, carro a Lotte ainda não fabrica, até onde eu sei... Mas deve estar quase.

"Então... como assim? O time é da empresa?", foi o que eu perguntei. Me disseram que não, o time tem seu nome próprio, mas como jogada de marketing fortíssima, ao patrocinar o time, o nome da empresa aparece muito mais. O time da Lotte, por exemplo, se chama Giants (isso, em inglês mesmo) e o da SK se chama Wyverns (também em inglês). Aliás, é tudo muito americanizado: os nomes dos times, além de ser ingleses, também têm aquele estilinho de escrita típico de times estadunidenses.

Outra coisa parecida com os EUA, pelo menos comparando esse jogo aos de futebol americano que já assisti, é que MUITA COISA acontece durante o jogo. Parece que o jogo em si é o de menos. As empresas investem muito dinheiro em marketing e entretenimento durante as partidas, de maneira que os torcedores se divertem o tempo todo. Fazem sorteios, apresentações, dancinhas com a torcida, tudo.

O estádio estava muito limpo, casa cheia, e foi tudo muito tranquilo. Me deu até um aperto no coração em lembrar que morei ao lado do Mineirão durante 6 anos, mas sempre que tinha jogo, principalmente Cruzeiro e Atlético, era perigoso até sair na rua. Se o Atlético perdesse então... (o que aconteceu quase sempre, de 1999 a 2008), aí quebravam tudo. Já até jogaram uma bomba no carro da Eloah, irmã do meu cunhado, enquanto ela passava pela Av. Antônio Carlos em dia de jogo.

E como aqui a coisa é diferente, o que mais se viam eram mulheres e crianças pelo estádio todo. As famílias se divertindo juntas. A foto ao lado foi tirada logo na entrada, com uma minitorcedora do Lotte Giants em cima do carro (esse sim é o tipo de perigo que as crianças correm aqui... hehe).

Como o SK é o time de Incheon, nós ficamos na parte dos visitantes, já que a Gayeong é de Busan, cidade do time da Lotte. O ruim foi que o Lotte perdeu... Mas da próxima vou pro time da casa, até porque praticamente TODOS os brindes que jogaram foram pros torcedores do SK! :P

Ah! E no meio do jogo acho que já entendi as regras do beisebol, que podem ser resumidas em: acerta a bola e sai correndo, meu filho!!!


Aí vão mais umas fotos e um vídeo, no qual o que eu menos gravei foi o jogo. Abraço pra todo mundo!



http://www.youtube.com/watch?v=0rygOxVXllQ