Eita, quase esqueci de falar sobre a famosa culinária canina da Coreia! Sei que este não é um assunto muito popular, mas vou ter que comentar.

Não sei bem por quê, mas os coreanos levaram a fama toda de que comem carne de au-au. Quando anunciei minha mudança para a Coreia, o que mais ouvi foram coisas do tipo "Então vai comer cachorro quente todo dia?" e "Olha lá, hein! Não vai comer os pobres cachorrinhos!".

Cheguei na Coreia, mas de canino mesmo só vi uns seres que mais parecem ratos de olhos esbugalhados (chiuauas) ou pantufas de coleira (malteses). E quando a estrangeirada via um coreano passeando com seu cachorrinho na rua, a piadinha era sempre a mesma: "Lá vai ele tomar o café da manhã" (se fosse um pequeno) ou "Lá vai ele almoçar" (se fosse um maiorzinho).

Então vamos passar essa história a limpo. Afinal de contas, os coreanos comem ou não comem carne de cachorro? A resposta é parecida à da pergunta: "Afinal, os brasileiros comem ou não comem carne de jacaré?" ou "Os brasileiros comem ou não comem carne de capivara?". Tudo o que posso dizer é que sim, alguns comem, algumas vezes. Ainda assim, o consumo é, em geral, restrito a pequenos grupos de homens mais velhos, por se acreditar que a carne canina aumenta a virilidade. E os coreanos novinhos, que não a comem, estão se emboiolando cada vez mais! :P

A verdade é que entre os jovens coreanos, é quase certo que 99% nunca tenham experimentado carne de cachorro. Historicamente, seu consumo começou na China, na época dos Três Reinos da Coreia, quando entre os pobres essa era praticamente a única fonte de proteína, visto que frango e carneiro só eram consumidos pelos mais ricos. E como pra essas bandas de cá, tudo o que você come tem que fazer bem pra alguma coisa muito bacana, inventaram essa de que au-au faz bem pra virilidade do sujeito. Talvez porque pra comê-la tem que ser muito macho!

Hoje em dia, quem come carne canina praticamente só a come em 3 dias do ano: o cho-bok, o jung-bok e o mal-bok, que marcam o ínicio, meio e fim do verão. Também se justifica por mais uma coreanice: eles acreditam que "calor se combate com calor", então no verão tomam mais sopa, o que abre a oportunidade para comer a sopa de au-au!

Bosintang (ou sopa revigorante), uma das sopas de cachorro comidas na Coreia.

Já prevendo as reações que a foto de uma sopa de cachorro gera, principalmente naqueles que têm ou já tiveram um cachorrinho de estimação, vou logo dizendo: relaxem, amiguinhos. Também na Coreia está na moda lutar pelos direitos dos animais, e muitos grupos querem que o congresso aprove uma lei proibindo o consumo de carne de cachorro.

Na minha singela opinião, se é pra proibir carne de cachorro, tem que proibir também de porco, vaca, peixe, carneiro, e por aí vai. Não acredito que os cães sejam entidades superiores no reino animal. Só porque parecem ser mais inteligentes e afetivos não quer dizer que mereçam mais direitos que um porco. Aliás, quando alguém vê o filme Babe, até de porco fica com dó.

E os ocidentais em geral são uns CHATOS aqui na Coreia quando o assunto é esse. Os indianos consideram as vacas divindades e nem por isso ficam azucrinando a cabeça da gente tentando nos convencer a não comer carne bovina. Desde que não mexam com meu totó, cada um coma o que encher sua pança.

No caso das carnes de capivara e de jacaré no Brasil, elas foram proibidas porque esses animais estavam ameaçados de extinção. Mas parece que já liberaram a caça aos jacarés de novo, por haver agora uma superpopulação deles no Pantanal.

Uma coisa tenho que admitir: o envolvimento "emocional" com um animal de estimação influencia a opinião sobre o assunto e gera discussões acaloradas. Eu, como bom mineiro do interior, tive todos os tipos de animais em casa. De gato a cachorro, de tartaruga a codorna. E um desses pets foi um pintinho adestrado (sem trocadilhos, por favor), que infelizmente virou franguinho, e depois uma bela e pomposa de uma galinha (sem trocadilhos de novo). E o mais impressionante é que continuou sendo uma galinha adestrada, que atendia pelo nome quando chamávamos. Até que um dia meu avô "passou a gravata" nela, e tive nojo de comer frango por um bom tempo.

Moral da história: todos os animais têm sentimentos, de uma ou outra forma. Desconfio que até as plantas se apaixonem. Então vamos largar de hipocrisia e comer o que faz bem ao corpo, apraz o paladar e não desequilibra a natureza. =)

PS: Aproveitando o assunto, aí vai o vídeo de uma cena incomum na Coreia. Topamos com um Golden Retriever em frente ao Terminal Nambu, em Seul. Cachorros deste porte são raríssimos aqui, talvez porque quase ninguém more em casa com quintal.

http://www.youtube.com/watch?v=xg_EERBz0lY