Quais serão minhas desculpas esfarrapadas pelo meu sumiço bloguístico? Tenho duas que não se esfarrapam tanto assim: tenho viajado muito nas últimas 3 semanas (Cheongju >> Daegu >> Cheongju >> Suwon >> Cheongju >> Seul >> Boryeong >> Seul >> Cheongju >> Suwon >> Seul >> Pohang >> Gyeongju >> Ulsan >> Seul >> Suwon... ufa!) e a desculpa mais basiquinha é que eu estava sem internet na minha nova casa até hoje.


Dadas as satisfações aos fiéis leitores, vamos ao que interessa: o Festival de Lama de Boryeong.

Boryeong é uma cidade praiana que fica no Mar do Oeste, bem pertinho de Anmyeondo, onde estivemos no mês passado e pegamos aqueles bichinhos nojentos na lama. Pois então, parece que o potencial natural da região é ter muita lama! Daí o motivo de muita gente se perguntar o porquê de tantos turistas irem se sujar nos lamaçais coreanos (dizem que cerca de 1 milhão de estrangeiros vão ao Festival de Lama todos os anos). O paraguaio Hugo, que não quis ir, até sugeriu: "Se vocês querem se sujar na lama, podem ir pra minha casa no Paraguai. Quando chove, é só sair pela porta da cozinha e você atola no barro do quintal!".

Para ser honesto, Boryeong não tem nada de mais. É uma cidade pequena, agradável, tranquila e com uma praia "normal" para um mineiro farofeiro que escorregou muitas vezes para o litoral capixaba nas férias. Mas uma coisa tenho que reconhecer: os coreanos sabem tirar água de pedra. Em 1998 eles decidiram usar todo o potencial lamístico da região e promoveram o primeiro Festival de Lama de Boryeong. O sucesso foi tão grande, principalmente entre os estrangeiros que vivem na Coreia, que desde então eles fazem esse festival todo ano durante o verão.

E no país em que se diz que kimchi previne câncer e protege contra a gripe do frango, do porco, do elefante e da minhoca, é óbvio que a lama de Boryeong não podia deixar de ter seus benefícios. Segundo estudos (talvez os mesmos que comprovaram que ventilador mata), a lama da região é rica em mineirais que ajudam a rejuvenescer a pele, acalmam os nervos e trazem paz interior.


Não sei se fiquei mais jovem e calmo, mas posso garantir que me diverti muito nesse festival! Fui com uma turminha de Cheongju e mais uns 200 estrangeiros num pacote da Adventure Korea e lá encontramos o Gustavo, a Briza, a Ivonne e o Elias (ambos de El Salvador). Algumas das atividades das quais participamos no lamaçal, onde formamos dois times gigantes chamados Tigre e Dragão (qualquer semelhança com algum filme é mera coincidência): luta livre, rugby e maratona de 5km. E no centro lamístico da cidade tinha de tudo: escorregador de lama, piscina de lama, prisão de lama, pula-pula de lama e vários outros jogos... de lama, claro. E ainda por cima havia apresentações e shows acontecendo o tempo todo, sem parar!

Infelizmente não dava para tirar muitas fotos e gravar muitos vídeos, porque era impossível não se eslamear. Gravamos algumas coisas e depois deixamos tudo nos armários públicos que eles ofereciam de graça pra gente, para então aproveitarmos. Por isso não deu para registrar momentos muito especiais, como quando um grupo de Samul Nori veio tocar os instrumentos coreanos tradicionais com a gente. Briza, Gustavo e eu entramos na dança, batucamos com o pessoal e viramos estrelas! Uns 20 fotógrafos profissionais foram tirar foto da gente, pedindo para fazermos caras e bocas. E a gente se achando, né! Imaginem a cena: 3 brazucas sujos de lama da cabeça aos pés, dançando uma mistura de samba-do-crioulo-doido com dança-da-chuva e tocando instrumentos coreanos tradicionais.

Aqui vai um vídeo do pouco que gravei, mas que já dá para ter um noção da coisa toda. Abraço pra todo mundo!

http://www.youtube.com/watch?v=0ibGEMnARcI