Finalmente livre! Pelo menos por enquanto. Terminamos as provas hoje. Aproveito para agradecer o Juliano que corrigiu minhas frases preparadas. A professora escolheu os tópicos 1 e 2 pra mim, mas na hora deu branco e acabei improvisando tudo! =D (fim do prelúdio)

A viagem para Jeju-do foi divertidíssima. O frio estava de lascar! Mas a turma estava de arrasar! Foi muito bom ver o mar! E eu gosto muito de rimar!
A foto acima é das bandeiras da província/ilha de Jeju-do e da Coréia do Sul, respectivamente. Ao fundo um mar cujo nome nenhum coreano soube me dizer ao certo. Mar do Japão? Na Coréia, não. "Mar do estreito da Península da Coréia?". Pra mim é o Pacífico.
Uma curiosidade: quem checou o link da Wikipedia sobre Jeju-do, deve ter lido que Jeju-do é a "antípoda" do município brasileiro de Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul. Significa que são dois pontos no planeta que ficam EXATAMENTE opostos um ao outro. Se um cidadão de Santa Vitória do Palmar cavar um buraco em linha reta que passe pelo miolo da Terra, vai chegar em Jeju-do. É o caminho mais perto.

O drama da comida jejudoriana: praticamente só frutos-do-mar! Para quem gosta, ótimo. Para o pobre mineiro aqui, que de peixe só conhece lambari e tilápia fritos, as ostras, mariscos, lulas e afins são um tanto quanto estranhos. Mas graças a Deus eles serviram peixes deliciosos, e não precisei me sucumbir aos moluscos.




Os KGS de Cheongju estavam inspirados. Apesar do frio a gente riu e se divertiu bastante. Os guias coreanos tentavam cortar o barato: "ppalli oseyo! ppalli oseyo!" (anda logo! anda logo!). "PPALLI", que significa "rápido" é a palavra que mais ouvimos na Coréia. Principalmente os latinos, que nunca têm pressa nenhuma. Mas a nossa estratégia foi bem simples: ignorá-los. Quando as professoras ou os guias vinham encher o saco porque a gente só tinha 30 minutos para tirar foto do lugar tal, a gente fingia que não ouvia, dava uma bocejada e saía assoviando. A Agatha, uma carioca de sangue quente, mandava o pessoal ir pentear macaco toda hora. Coreano não sabe curtir uma boa paisagem com calma. Fiquei observando os turistas coreanos: eles chegam, tiram a foto, e correm pro próximo ponto. Eu parava, respirava, sentia o lugar, olhava pro céu, agradecia a Deus, e deixava os guias se descabelarem.


No meio da ilha, em lugares mais altos, tinha muita neve. No litoral, praticamente nada. Travamos várias batalhas de vida ou morte na neve. Acabei me machucando (de leve) por achar que neve é algodão. Tomei cada bolada de neve na testa que não foi brincadeira. Até as professoras entraram na onda! Todo mundo saiu cuspindo neve pela orelha (se é que isso é possível).

Nossa última parada na quarta, antes de virmos embora, foi no Love Land, ou Museu do Sexo. É, na verdade, um parque com várias esculturas de gente pelada ou transando, televisões com filmes eróticos, souvenirs sacaninhas, com plaquinhas em forma de pinto apontando as direções. Achei estranho encontrar isso na Coréia, um país onde ninguém se beija em público e homem mal tem contato físico com mulher. Muita gente se horrorizou com o lugar. O filho de 4 anos da "cazaca" (nossa amiga do Cazaquistão), se perdeu da mãe e foi encontrado chorando em meio aos pintos de 5 metros da praça. Poxa, é sacanagem né! Literalmente. Até eu choraria.

Essa foto aí é do pé da Agatha, que estava fazendo sei-lá-o-quê no banheiro. Tirei essa foto, primeiro porque os banheiros aqui são abertos. Do lado de fora você vê os carinhas tirando água do joelho e os pezinhos das meninas dentro das cabines. Isso quando não é um buraco no chão para as meninas agacharem! O fato é que a Agatha já está famosa aqui em Cheongju. Já é conhecida como a "hwajangsil yeoja" (garota do banheiro), porque ela sempre resolve ir ao banheiro na hora em que estamos atrasados para ir a outro lugar. Já até aconteceu de esquecermos ela num lugar e lembrar depois de o ônibus ter partido!

Felizmente não a esquecemos em nenhum banheiro de Jeju-do! =D

Mais adiante devo editar um vídeo com cenas da ilha. Por enquanto quero só descansar e esquecer um pouco das provas de ontem e hoje.

Abraços a todos! Inclusive aos novos leitores e "comentaristas" do meu blog. Pelo jeito minha mãe não é a única que lê acerca de minhas aventuras sul-coreanas.