Estou estupefato. Tive uma revelaçao bombástica: descobri que, aqui na Coréia, eu já tenho 25 anos. E mais, o cara que tinha ficado todo feliz em saber que era mais velho que eu é, na verdade, mais novo um mês! Você deve estar se perguntando, "como isso é possível?". Mistérios da Coréia, meu caro... Tá bom, nem é tao misterioso assim. Só é um pouco estranho. Aqui eles fazem a contagem da idade de maneira diferente. No dia em que você nasce, já tem 1 ano. E no primeiro dia de janeiro do ano seguinte você já faz 2 anos! Ou seja, a contagem é pelos anos, e nao pelo dia do nascimento, e começa-se do 1 e nao do zero. Entao todo mundo que nasceu em 1984, como eu, tem 25 anos. Nao importa se nasceu em 01/01/84 ou 31/12/84. Tem 25 anos do mesmo jeito. Por isso que todo mundo se assustava quando eu dizia que tinha 23, porque era, pra eles, como se eu tivesse 21 (na idade "internacional"). E eu que achei que voltaria da Coreia apenas 3 anos mais velho, pelo jeito vao ser 5 anos mais velho!!! Eita.

Engraçado foi ontem à noite. Estava eu de bobeira no meu quarto quando ouvi o som de um clarinete no pátio. Olhei pela janela e lá estava a estrangeirada em volta do Triguran (algo assim), o cara da Malásia. Ele toca muito bem. E logo já tinha uma boa platéia em volta. Nisso até os coreanos se interessaram e pararam pra ouvir. Depois a "buddy" da Agatha chamou a gente pra ir num barzinho aqui perto. (Parênteses: ontem à tarde cada um recebeu um "buddy" de presente. É um coreano que vai ficar pageando a gente, e ajudando no que for preciso, inclusive no aprendizado da língua. Meu buddy é gente fina demais, mas eu, como todos os outros caras, queríamos uma buddy feminina... hehe. Mais tarde eu soube que as buddies coreanas também queriam o mesmo!) Mas entao no bar, onde estavam eu, Agatha, duas coreanas e dois coreanos, depois de rirmos bastante da nossa dificuldade até com os tira-gostos superapimentados daqui, um coreano virou pra mim e disse num inglês mais-ou-menos: "You have high nose!", que significa literalmente "Você tem nariz alto!", que significa contextualizando "Mas tu é narigudo, hein rapaiz!". Eu olhei pra ele, olhei pra Agatha, e depois que vi a cara de inocência do rapaz, caí na gargalhada. Nao é o tipo de coisa que se diz no Brasil, ainda mais quando você nem conhece a pessoa direito. Mas prolongando mais o assunto, percebi que o cara estava, na verdade, me elogiando! "Ahn?" Isso mesmo. Eles me falaram que muitos deles nao gostam de ter nariz achatadinho, tanto que às vezes até fazem alguma cirurgia para aumentá-lo! Dá pra acreditar? Anos e anos sofrendo o preconceito da sociedade por causa da minha protuberância nasal, para descobrir que aqui na Coréia ela tem o reconhecimento que merece. Vim pro lugar certo!

Já vou indo. Estou usando o computador do Galileo, o cara de El Salvador, e é por isso que consegui colocar acentos hoje. Menos o til, que nao tem no teclado dele, a nao ser embutido no "ñ".

Annyong-hi kyeshipshio!